13 de junho de 2014

Sexta Envenenada: O Duque e Eu

“Vamos encarar os fatos:
lemos romances para nos apaixonar. Sobretudo pelo herói.
Sem dúvida, as heroínas são importantes – na verdade, em minha opinião,
se a mocinha não for alguém que poderia ser a minha melhor amiga,
o livro não faz sentido.”
Julia Quinn
Olá, Envenenados!

Em tempos de Copa do Mundo, o que um ser que não curte futebol pode fazer?
Claro, opções não faltam, mas para aturar 90 minutos de vuvuzelas, gritaria, fogos e tudo mais que eles inventam para fazer barulho, é preciso ter à disposição um cinto de utilidades. Sobretudo num país como o nosso, em que grande parte da população já curte este esporte desde o ventre.
Nada contra quem curte. O problema é que eles não consideram normais as pessoas que não têm a mesma reação aos jogos.
Não sou normal mesmo, então sigo a vida cantando e fazendo outras coisas, ler, dormir, comer, comer, escrever...
Aí virão aqueles que acharão um absurdo total eu não ter assistido sequer a abertura. Sério, que se %#!@, não tiro o direito de ninguém de assistir, então me deixem em paz, se eu prefiro outra programação.
Enfim, vencendo ou não, nada muda no país: os políticos serão os mesmos, o povo continuará ignorante e, consequentemente, os hospitais, escolas, salários, impostos e outros setores permanecerão inertes.
Vida que segue.
Há algum tempo me tornei fã dos Romances de Época, sobretudo os da Editora Arqueiro; pela seleção de autoras e títulos e também pela qualidade da edição dos livros. E também escrevi sobre todos os seus protagonistas nesta coluna.
Pelo menos era o que eu tinha certeza de ter feito.
Mas infelizmente fui muito injusta com um casal, até agora.
Não sei o que me deu, mas eu praticamente vi o meu texto escrito e editado sobre Simon Basset e Daphne Bridgerton. Mas não. Cometi o pecado de ainda não ter me desmanchado sobre esses dois queridinhos, que são o casal do primeiro romance da série Os Bridgertons, O Duque e Eu, da maravilhosa Julia Quinn.
Não poderia deixar de falar sobre O Duque e Eu, ainda que nosso blog já tendo resenhado o mesmo. Lembrem-se: esta coluna não se destina a resenhar os livros, ainda que cumpra este papel também. Mas a essência da Sexta Envenenada é pinçar os meus queridinhos do mundo literário e descrevê-los, bem como expressar minhas impressões sobre os homens e mulheres dessas histórias maravilhosas.
E Simon e Daphne deveriam constar na lista dos absintos desse espaço.
Como não poderiam, se a própria Julia Quinn confessa sua quedinha por eles?
“As pessoas quase sempre querem saber qual dos meus livros eu prefiro. Com toda a sinceridade, essa é uma pergunta quase impossível de responder, porque eu gosto de coisas diferentes em cada um deles. Às vezes é um personagem, ou então uma cena específica. O fato é que todos eles me agradam de formas diferentes.
Mas vou lhe contar um segredo: sempre tive uma queda especial por O duque e eu. Ele foi um divisor de águas na minha carreira. Não sei exatamente o que aconteceu, mas este livro é mais profundo e mais rico do que qualquer outro que eu já tenha escrito. Além disso, marcou o começo da coleção Os Bridgertons, uma série de oito livros que conquistou as pessoas de uma forma impressionante. [...]”
Impressionante, minha cara Julia, é o seu talento para criar personagens tão envolventes e tramas tão bem escritas.
Simon é herdeiro de um ducado, cujo antecessor, seu pai, nunca estivera presente em sua vida, a não ser para destruir completamente sua autoestima.
O então Duque de Hastings passou boa parte da vida à espera de um filho que viesse a sucedê-lo.  Nunca vivera um grande amor com a esposa, mas compartilhava uma boa e terna amizade, bem como o objetivo de gerar uma criança. E mesmo a duquesa estando muito debilitada – os médicos aconselharam-lhes a desistir, caso contrário ela não resistiria – ela se arriscou a mais uma gravidez.
Foram meses difíceis, nos quais ela sequer pode sair da cama. Mas valeu o esforço. Enfim, todo o condado pode comemorar o nascimento de Simon Arthur Henry Fitzranulph Basset, conde de Clyvedon.
“[...] Os sinos repicaram durante horas, houve champanha para todos festejar a chegada do recém-nascido e todo o povo do Clyvedon deixou seus trabalhos para unir-se à festa organizada pelo pai do jovem conde.
-Este não é um menino qualquer - lhe disse o padeiro ao ferreiro.
E não o era porque Simon Arthur Henry Fitzranulph Basset não seria conde do Clyvedon para sempre. O título era pura cortesia. Simon Arthur Henry Fitzranulph Basset, o menino com mais nomes dos que qualquer menino pudesse necessitar, era o herdeiro de um dos ducados mais antigos e ricos da Inglaterra. E seu pai, o duque do Hastings, tinha estado esperando este momento durante anos.
Enquanto passeava com seu filho nos braços em frente do quarto de sua mulher, não cabia o coração do duque no peito de quão orgulhoso que estava. Passados os quarenta anos, tinha visto como todos seus amigos duques e condes geraram herdeiros. Alguns tinham tido que ver nascer várias filhas antes da chegada do esperado varão mas, no final, todos tinham assegurado a linha sucessória, que seu sangue perduraria nas próximas gerações da alta sociedade britânica.[...]”
Finalmente, Simon veio ao mundo, mas sua vida não teria um começo muito promissor, apesar do título e da riqueza que herdaria.
Sua mãe falece pouco depois do parto, seu pai o deixa aos cuidados de uma ama e volta para Londres para cuidar dos negócios e raramente volta para vê-lo. Mas quando o duque retorna definitivamente, para assumir a educação do filho, em seu segundo aniversário, não entende o porque de seu filho não emitir uma só palavra.
O tempo vai passando e nada da criança falar. Até que, por fim, aos quatro anos Simon não consegue satisfazer o pai.
“O menino retraiu-se, com o lábio inferior trêmulo.
– Alteza! – exclamou a ama. – O senhor está assustando a criança.
O homem virou-se para ela.
– Talvez ele deva levar um susto – falou. – Talvez o que esteja precisando seja uma grande dose de disciplina. Uma boa surra pode ajudá-lo a encontrar a voz.
O duque agarrou a escova de prata que a ama usava para pentear os cabelos de Simon e avançou na direção do filho.
– Vou fazer você falar, seu pequeno idiota...
Não!
A ama ofegou. O duque deixou a escova cair. Foi a primeira vez que ouviram a voz da criança.
– O que você disse? – sussurrou o duque, com os olhos se enchendo de lágrimas.
O menino cerrou os punhos ao lado do corpo e projetou o queixinho à frente enquanto falava.
– Não me b-b-b-b-b-b...
O rosto do soberano ficou mortalmente pálido.
– O que ele está dizendo?
Simon tentou pronunciar a frase de novo.
– N-n-n-n-n-n-n...
– Meu Deus – bufou o duque, aterrorizado. – Ele é um idiota.
– Não é, não! – gritou a ama, lançando os braços ao redor do menino.
– N-n-n-n-n-n-n-não b-b-b-b-b-b-bata... – Simon respirou fundo – em mim.
O duque afundou no assento próximo à janela e enterrou a cabeça nas mãos.
– O que eu fiz para merecer isso? O que eu posso ter feito... – lamentou-se.
– O senhor deveria estar elogiando o menino! – observou a ama Hopkins.
– Está há quatro anos esperando que ele fale e...
– E ele é um idiota! – berrou. – Um pequeno idiota!
Simon começou a chorar.
– Hastings ficará nas mãos de um débil mental – gemeu o duque. – Todos esses anos rezando por um herdeiro e agora está tudo perdido. Terei que deixar o título para meu primo. – Virou-se para o filho, que soluçava e secava os olhos, tentando parecer forte diante do pai. – Não consigo sequer olhar para ele. – Soltou um arquejo. – Não consigo.
Ao dizer isso, o homem saiu da sala.”
William Ponzetti
Na última tentativa que fez de se aproximar do pai, ainda menino, ele tinha certeza de que conseguiria apresentar-se diante dele, sem falhar, sem gaguejar.
Mas saiu de lá com outra certeza: a de que jamais teria uma convivência com o Duque de Hastings.
Simon sentiu no âmago a rejeição do pai. Experimentou uma espécie peculiar de dor tomando conta de seu corpo e envolvendo o coração. E, conforme o ódio lhe invadia e transbordava por seus olhos, ele fez uma promessa solene.
Se não podia ser o filho que o pai queria, então seria exatamente o oposto.”
Durante toda sua vida, ele lutou por controle. Para controlar a própria vida, a fala e as emoções. A rejeição do pai não o impediu de tornar-se um homem forte e poderoso, que vai conquistando admiradores, entre homens e mulheres, por onde passa.
Ele vai para a escola, para a faculdade e conquista tanto espaço entre os acadêmicos e a sociedade que não tem como não chamar a atenção de seu pai também, que começa a tentar se aproximar do filho. Mas agora é Simon quem não deseja contato, e assim, parte em uma longa viagem pelo mundo, só retornando após a morte do duque.
Nesse retorno ele conhece Daphne Bridgerton.
Gente, para mim, um dos vários pontos altos (este livro é uma cordilheira) de O duque e eu é o momento em que eles se conhecem no baile de Lady Danbury. Aliás, não só o casal, mas os irmãos dela garantem momentos maravilhosos também. Cada um, a sua maneira, acrescenta um tempero misto de humor, ira, sarcasmo e libertinagem à história.
Daphne é a quarta filha dos Bridgertons. Para sua sorte, ou azar, nasceu depois de Anthony, Benedict e Colin.
Por causa de seus irmãos, Daphne adquire uma experiência que fará toda a diferença em sua maneira de ver a vida e principalmente os homens.
Um dos encantos desta obra é o fato de Daphne não ser aquela moça que vive deprimida por seu destino. Pelo contrário. Ela é capaz de traçar seu próprio destino e tem o apoio dos irmãos mais velhos. Anthony, como primogênito e herdeiro do título de visconde e da responsabilidade de cuidar da família, é o mais implacável no que diz respeito à felicidade e honra de sua irmã.
Por isso, não vê com bons olhos a aproximação de seu antigo amigo, de escola e libertinagem, de sua amada irmã.
Mas o que ele não sabe é que ambos têm um combinado: Simon propõe a Daphne que finjam interesse mútuo para afastar as mães e moças casadouras dele, e atrair pretendentes à mão da irmã de Anthony.
Tudo isso, porque, meus queridos, Simon não pretende casar-se, encerrando com ele a linhagem de seu pai e Daphne, por sua vez, não consegue atrair pretendentes, ou porque a consideram uma boa amiga, ou porque tenham pavor de seu trio de irmãos mais velhos.
De certa forma, o plano dá certo, pelo menos para a moça, que começa a receber a atenção de vários cavalheiros que tiveram o interesse despertado a partir do momento em que perceberam que um duque a estava cortejando.
Esse é só o começo dessa história.
O que ambos não esperavam é que, o que começou com uma farsa, desse início a algo ainda maior em suas vidas.
São pessoas tão diferentes, mas que se identificam de uma maneira tão limpa, sem frescuras.
Ele, definitivamente decidido a nunca se casar e jamais ter filhos: fruto de sua relação com a família que nunca teve. Ela, deseja seguir os passos dos pais, com um bom casamento e vários filhos.
– Aaaaaaaahhhhhhhhhh! – Violet Bridgerton amassou o jornal de apenas uma página numa bola e o atirou para o outro lado da elegante sala de estar.
Sua filha Daphne foi sensata e não fez comentário algum. Fingiu estar concentrada em seu bordado.
– Você leu o que ela escreveu? – perguntou Violet. – Leu?
Daphne olhou para a bola de papel, agora embaixo de uma mesa de canto de mogno.
– Não tive a oportunidade de ler antes de você, hã, terminar.
– Leia, então! – gritou ela, agitando o braço no ar de forma dramática. – Veja como aquela mulher nos difamou!
Daphne largou calmamente o bordado e pegou o jornal amassado embaixo da mesinha. Esticou a folha no colo e leu o texto sobre a família. Piscou algumas vezes, depois ergueu o olhar.
– Não é tão ruim, mãe. Na verdade, é uma bênção, comparado ao que ela escreveu sobre os Featheringtons na semana passada.
– Como posso conseguir um marido para você com essa mulher difamando seu nome?
Daphne se obrigou a respirar fundo. Depois de quase duas temporadas em Londres, a simples menção da palavra “marido” era suficiente para fazer sua cabeça latejar. Ela queria se casar, de fato queria, e não estava sequer sonhando com um amor verdadeiro. Mas desejar um marido por quem tivesse ao menos um pouco de afeição era pedir muito?
Até então, quatro homens haviam pedido sua mão, mas quando pensara em viver o resto de seus dias na companhia de qualquer um deles, Daphne simplesmente não conseguiu aceitar. Havia vários cavalheiros que ela acreditava que poderiam ser maridos razoáveis, mas o problema era que nenhum deles estava interessado nela. Ah, eles gostavam dela. Todo mundo gostava dela. Todos a achavam divertida, gentil e bem-humorada. Nenhum deles a considerava feia, mas também não ficavam hipnotizados por sua beleza, sem fala diante de sua presença, nem inspirados a compor poemas em sua homenagem.
Os homens – pensava ela com desagrado – estavam interessados apenas em mulheres que os amedrontavam. Ninguém parecia inclinado a cortejar alguém como ela. Todos a adoravam, ou ao menos era o que diziam, porque ela era muito simpática e parecia entendê-los.
Certa vez, um dos homens que Daphne julgara que poderia ser um marido aceitável dissera: “Por Deus, Daff, você não é como a maioria das mulheres. Você é absolutamente normal.” Ela poderia ter considerado isso um elogio, se ele não tivesse saído para correr atrás da beldade loira mais recente.
Daphne olhou para baixo e percebeu que estava com o punho cerrado. Então ergueu os olhos e se deu conta de que a mãe a encarava, sem dúvida esperando que ela dissesse alguma coisa. Como já havia suspirado, Daphne pigarreou e afirmou:
– Tenho certeza de que essa coluninha de Lady Whistledown não vai prejudicar minhas chances de encontrar um marido.
 – Daphne, já faz dois anos!
– E ela escreve há apenas três meses, de modo que não vejo como a culpa possa ser dela.
– Posso culpar quem eu quiser – resmungou Violet.
As unhas de Daphne feriram as palmas de suas mãos enquanto ela se esforçava para conter as palavras. Sabia que no fundo a mãe tinha apenas as melhores intenções, que a amava. E o amor era recíproco. Na verdade, até Daphne chegar à idade de ser desposada, Violet com certeza havia sido a melhor das mães. Ainda era, quando não estava desesperada pelo fato de que, depois de Daphne, tinha mais três filhas para casar. [...]”
E é por tudo isso que ela resolve aceitar a proposta de Simon.
O resultado?
Claro, eles podem passar mais tempo juntos, vão se conhecendo melhor e se desafiando a cada encontro. Resumo da ópera: Daphne se apaixona por ele que, não consegue mais conter o forte desejo por ela.
“Assim, beijá-la se tornou uma questão de autopreservação. Era simples: se não fizesse isso, se não a possuísse, ele morreria. Parecia melodramático, mas naquele instante ele poderia jurar que era verdade. O desejo que se enroscava em suas entranhas acabaria fazendo-o sucumbir.”
Uma das coisas legais desses romances de época é que não são livros só para nós. Os rapazes deveriam lê-los também. Não são melosos, meninos, eu garanto. De fato, nem eu gosto de livros assim. São histórias bacanas, de pessoas legais.
Acho que esse tipo de leitura deveria ser obrigatório para os adolescentes. Mesmo com as cenas sensuais. Vamos combinar: nossos jovens estão tendo acesso a informações sobre sexo de maneiras tão frívolas e errôneas, que nossos livros, tão amados, não passariam de gibis.
Sério, acho que garotos que leem esse tipo de texto, assim como as meninas, se tornam mais sensíveis e têm muito a aprender – sobre honestidade, sobre conquista, respeito e sedução.
– Não vou possuí-la numa hospedaria de beira de estrada – continuou ele. – Acho que você merece mais respeito que isso.
– Não vai? É mesmo?
Ela avançou um pouco.
– Por que não?
Simon a analisou por alguns instantes. Simplesmente se sentou na cama e ficou observando-a. Daphne o encarou com olhos cheios de carinho e curiosidade, com um toque de hesitação. Passou a língua pelos lábios – mais um sinal claro de nervosismo, mas o corpo frustrado de Simon reagiu ao gesto sedutor com uma ereção instantânea.
Ela deu um sorriso trêmulo e desviou os olhos dele.
– Eu não me importaria.
Simon continuou imóvel, curiosamente paralisado, enquanto sua mente gritava ‘Agarre-a!’ ‘Leve-a para a cama! Faça qualquer coisa, mas coloque o corpo dela embaixo do seu!’
E então, justo quando ele estava quase conseguindo se mover, ela soltou um gritinho e ficou de pé, virando-se de costas para ele e cobrindo a boca com a mão.
Simon, que havia acabado de esticar o braço a fim de puxá-la para si, caiu de cara na cama.”
Umas das cenas hilárias da história, sensuais também. Mas hilária porque ele disse que não poderia ter filhos e ela achou que era porque ele não poderia consumar o casamento. Ele fica estupefato com a falta de noção sobre tudo que diz respeito à primeira noite de um casal.
“– Eu realmente detesto parecer tão burra – resmungou.
Simon se inclinou para frente e pegou as mãos dela.
– Daphne – começou ele, suavemente, massageando os dedos dela -, você tem alguma noção do que acontece entre um homem e uma mulher?
– Não faço a menor ideia – admitiu ela, com franqueza. –Era de se esperar que, com três irmãos mais velhos, eu soubesse algumas coisas, e achei que finalmente descobriria a verdade ontem à noite, quando minha mãe...
– Não diga mais nada – pediu ele com a voz mais estranha do mundo. – Nem mais uma palavra. Eu não suportaria.”
São duas pessoas extremamente encantadoras, em tudo. Mas também são muito ardentes, sensuais e garantem muita palpitação. E entre descobertas e reconhecimentos, eles vão enfrentar muitas situações difíceis também. Incertezas duramente presentes e marcantes, tormentos causados pelo passado dele e pelas expectativas de futuro dela.
Pronto, está feito o meu mea culpa. Perdão, Simon, meu amor e Daphne, minha lindinha, por ter levando tanto tempo para cuidar de vocês!
Lido, relido e adorado duplamente, O duque e eu é um marco na história dos romances de época.
Fico por aqui, com o humor muito melhorado, depois de falar de um dos meus amores, apesar da Copa.
Até a próxima semana!

Fiquem bem e Carpe Diem!

10 comentários:

  1. Olá
    Passei o primeiro jogo da copa lendo. Tem passatempo melhor? Ler é tudo de bom.
    Adoro essa série da Julia Quinn. Ela consegue ao mesmo tempo ser romântica e engraçada.
    O Simon é um dos meus personagens favoritos da sêrie.

    ResponderExcluir
  2. Também acho este primeiro livro lindo e apaixonante. Os personagens são perfeitos juntos e tem um entrosamento que me deixou encantada. Pra mim, Júlia foi extremamente feliz ao escrever a história deles. Amo de montão o casal. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Eu faço parte do time dos que amam futebol, mas também adoro ler e penso que todo mundo tem o direito de gostar e não gostar do que bem entender.
    Li esse livro faz um tempo, mas gostei muito dele, não só pelo cenário histórico, pela história e pelos personagens secundários, mas principalmente por causa da protagonista. A Daphne é uma personagem tão forte e determinada, que realmente gostaria de ter alguém como ela como amiga.
    As situações que ela e o Simon enfrentam não são nada fáceis e algumas delas me deixaram triste durante a história, mas tudo isso vale a pena quando percebemos que o amor entre eles vai crescendo e que a Daphne consegue ajudar o Simon a enfrentar seus traumas.
    Os diálogos entre eles também são muito bons, alguns divertidos e outros emocionantes. Fora a família Bridgerton que é sempre um bônus, adoro os irmãos dela! Enfim, esse livro é ótimo.

    ResponderExcluir
  4. Assisti o jogo para ficar
    perto dos meus filhos e meu marido que reinvindicaram minha presença. ;)
    Quanto ao livro não li ainda, acredita?
    Achei pela resenha esse romance o máximo! E quando puder não vou deixar de ler.

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkk eu também estou numa situação parecida, detesto esse barulho, mas fazer o que né? Respeito todos, enquanto isso vou curtindo os meus bebês ^^
    Apesar de gostar muito de romance (principalmente histórico) até hoje não tive oportunidade de ler nada da Julia Quinn e acho que não vou fazê-lo tão cedo já que todos morrem de amores pelos livros dela e como a série é grande e não foi toda lançada, vou esperar mais um pouquinho.
    Beijocas e boas leituras durante a copa ^^

    ResponderExcluir
  6. Também me tornei fã de romances de época... principalmente depois que editora arqueiro apresentou os livros num evento que ocorreu na minha cidade.
    E o primeiro foi justamente o Duque e eu (biblioteca linda, obrigada por ser atualizada! \o/)
    Adorava a quimica que ambos tinham, e quando os irmãos e/ou a mãe apareciam, era risada na certa. Daphne é o tipo de garota que chega a ser independente (comparando as outras meninas na época...) e o Simon é o tipo que de dá vontade de dar uma surra no meio da cara, de tanta burrada que o sujeito faz. Oxi!
    Bem, como o segundo livro será do Anthony, com certeza irei ler e torcer para que ele tenha mais juízo que o seu amigo ali... ¬_¬

    ResponderExcluir
  7. Não gosto da copa pelo fato de ter muito barulho mais sempre é bom reunir a família *-*
    No dia do jogo teve muito barulho minha cachorrinha quase deu um ataque cardíaco ela é filhotinha :O
    Mais em relação ao livro ainda não li que é uma pena eu passei a gostar de alguns romances de época. Esse parece ser bom *-*
    Bjs Mi *-*

    ResponderExcluir
  8. Eu sou suspeita para falar de jogos. Sou super a favor, gosto bastante de torcer e vibrar, mas tem umas pessoas que exageram né? Por mais que eu curta, fico estressada quando extrapolam.
    Em relação ao livro, adoro romances de época, é um dos meus gêneros favoritos. Ever. E estou super ansiosa para ter essa série em minhas mãos (:

    ResponderExcluir
  9. Linda Tania!!!!!!!!!!!!! Que resenha linda!!!!!!!!!!!!!! Adorei o teu Anthony kkkkk

    Realmente Duque e Eu é um livro lindo e sensível, apesar do humor da autora em algumas cenas, a do lago foi ótima!!!!! E a noite de núpcias maravilhosa também kkkkkk. É difícil definir os casais da Julia Quinn como um favorito, todos tem algo que te conquistam imediatamente. Mas vou parar de escrever porque a tua resenha já falou tudo e um pouco mais... O problemas das tuas resenhas é que cada vez que leio, tenho vontade de reler o livro kkkkkk isso é um problema kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  10. Como não amar O duque e eu, eu li o livro à muitos anos atras...e foi com ele que cai de amores pela autora na hora, preciso de todos os livros dela, e o primeiro casal até o momento é o meu xodó.
    O que falar de Daphne, eu gosto de mocinhas fortes, decididas e ela é uma, o que tornou o livro muito bom para mim, amei o pedacinho do livro que você postou deu uma saudade agora,
    beijos.

    ResponderExcluir

Destile seu veneno, comente!

Ou receba as atualizações no seu email:

Delivered by FeedBurner

Posts Recentes

Últimos Comentários

As envenenadas pela maçã Ѽ by TwilightGirls RJ Ѽ - Copyright © 2012 - Todos os Direitos Reservados