30 de março de 2013

Promoção: 1 livro por semana!

Olá envenenados,

Nós da equipe envenenada estamos muitos felizes, pois o blog agora tem mais de 3000 seguidores!!!

E para comemorar esta marca tão especial resolvemos compartilhar com vocês o que mais amamos...

...livros!!!

Então, hoje começa uma promoção muito especial!!


Esta é uma promo para quem é seguidor e que está sempre por aqui comentando nos nossos posts.

Os livros que escolhemos como prêmios são todos especiais e muito lindos. Vejam:





  • Esperando por Você - Susane Colasanti
  • Meu amor, Meu bem, Meu querido - Deb Caletti
  • Proteja-me - Juliette Fay
  • Após a Tempestade - Karen White
  • A Pousada de Rose Harbor - Debbie Macomber
  • As Violetas de Março - Sarah Jio
  • Uma Questão de Confiança - Louise Millar
  • Postais do Coração - Ella Griffin


Para participar é fácil...

Você precisa comentar em todas as postagens da semana e caprichar... compartilhe conosco sua opinião!

No sábado, dia 6/04, sortearemos via Random.org um livro entre todos aqueles que comentaram.

O ganhador poderá escolher seu livro!!

Para validar sua participação, você deve seguir o blog e ter endereço de entrega do prêmio no Brasil.

Deixe aqui embaixo um comentário tipo "Estou participando!", seu nome e nome de seguidor do blog!!

Aproveite e siga nossa página no Face clicando aqui!!


Contamos com sua participação e boa sorte!!

Beijocas,

29 de março de 2013

Sexta Envenenada: Fallen Angels - Desejo


“Se eu morrer antes de você, faça-me um favor.
Chore o quanto quiser, mas não brigue com Deus por Ele haver me levado.
Se não quiser chorar, não chore.
Se não conseguir chorar, não se preocupe.
Se tiver vontade de rir, ria.
Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão.
Se me elo
giarem demais, corrija o exagero. Se me criticarem demais, defenda-me.
[...]
E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase:
'Foi meu amigo, acreditou em mim e me quis mais perto de Deus!'
 Aí, então derrame uma lágrima.
Eu não estarei presente para enxugá-la, mas não faz mal.
Outros amigos farão isso no meu lugar.
[...]
Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente,
e se inaugura aqui mesmo o seu começo.
Eu não vou estranhar o céu...
Sabe por que?
Porque...
 Ser seu amigo já é um pedaço dele!”
Olá, Envenenados!

Estamos de volta com mais uma Sexta glamorosa e com um cheirinho todo especial de comidinha feita pela mamãe, de aconchego de família, de reflexão sobre nossa vida, de chocolate saboroso e do verdadeiro significado da Páscoa.
Para muitos este é um momento de conforto ou reconforto, de repensar suas atitudes e de busca para equilíbrio interior. Por isso, não importando a doutrina religiosa ou filosófica, ou a falta dela, pois o ceticismo também deve ser respeitado, que este e todos os outros momentos do ano sejam de paz, que nossos olhos e corações sejam purificados de toda desesperança. Que nossa fé seja renovada, ainda que não sigamos nenhum dogma religioso, que pelo menos a fé numa sociedade mais justa, onde possamos criar educar  nossas crianças com harmonia e sabedoria, que nossos jovens possam se divertir em segurança e que nossos idosos tenham uma jornada digna, seja possível.
Se pudermos vislumbrar dias assim, certamente nossa missão será mais branda.
Neste espírito pascal, voltamos a falar sobre anjos. Lembram-se de Jim Heron e Cia.? Pois é, Jim está de volta à Sexta Envenenada, desta vez no segundo volume da série Fallen Angels – Desejo (Crave), de J.R. Ward. A editora Universo dos Livros publicou esse volume em 2011.
Depois da primeira batalha em Cobiça (Covet), quando nosso gostoso herói enfrenta o mal para resgatar a alma do não menos gostoso, mas como diz a Math, também bilionário (literário), Vin di Pietro, Jim agora tem que pagar uma antiga dívida antes de encarar sua nova missão.
A questão é: será apenas um acerto de contas ou a próxima missão?
Só para entrarmos no clima, relembremos qual é a missão de Jim.
Depois que os dois times (Bem X Mal) determinaram as regras do jogo, ambos definiram quem seria o zagueiro principal de cada partida.
O zagueiro escolhido foi Jim Heron, cuja missão é resgatar sete almas. O lado que obtiver o maior número de pontos levará o prêmio final: o destino da humanidade.
Jim corta um dobrado para atingir seu objetivo em Cobiça, isso antes de adquirir suas próprias asas, e estamos falando de situações bem cabeludas mesmo, do tipo: enfrentar o “capiroto” cara a cara.
Aqui em Desejo, a situação não será mais amena, porque antes ele deve proteger e salvar o ex-companheiro Issac Rothe, que em uma missão especial arriscou a própria vida para salvar a pele de Heron e de seu líder Matthias.
O deserto, longe de Caldwell, 
Boston, ou longe da… sanidade.
Cerca de dois anos após o que aconteceu, quando Jim Heron já não fazia mais atuando nas operações especiais, ele pensaria que Isaac Rothe, Matthias, o filho da mãe, e ele mesmo, tiveram suas vidas transformadas na noite em que aquela bomba explodiu na areia.
Claro, naquela época, nenhum deles sabia o que aquilo significava ou onde isso tudo levaria. Mas assim era a vida: ninguém tinha um guia turístico de seu próprio parque temático. Você tinha que participar dos passeios tal qual eram apresentados, sem saber se ia gostar daquilo pelo esperava na fila... ou se algum bastardo ia fazer você vomitar seu cachorro-quente ou seu algodão-doce.
Contudo, talvez fosse melhor assim. Será que, no passado, ele acreditaria que acabaria lutando contra um demônio ao tentar salvar o mundo da condenação eterna?
Pois é.
Mas, naquela noite, o frio seco que banhou o local no segundo em que o sol se pôs atrás das dunas, ele e seu chefe andaram sobre um campo minado... e apenas um tinha saído dali.
O outro? Nem tanto...”
Acontece que em sua primeira missão, Jim precisou da ajuda de Matthias para obter algumas informações cruciais para cumprir seu trabalho, mas o preço estipulado por seu ex-chefe nunca ficava claro: uma coisa era certa, o valor era inestimável... era matar Isaac.
Mathias exigia que Jim liquidasse Isaac por deserção.
Mas como Jim poderia realizar esta tarefa, agora que não fazia mais parte dessa esfera? E como poderia proteger Isaac da morte certa, uma vez que Matthias – após se certificar de que Jim morrera deveras – certamente enviaria outro para dar cabo da missão?
Mas a história não se resume a isso, pois Devina também retorna para colher outra alma e tentar derrotar Jim.
“Devina era um demônio tão poderoso que perdia apenas para Aquele que criou os céus e a Terra: ela poderia assumir todos os tipos de rostos e corpos, tornando-se outra pessoa a qualquer hora e em qualquer lugar. Ela poderia aprisionar almas por toda a eternidade. Ela comandava um exército de mortos-vivos.”
Curioso aqui sobre esse demônio, é o fato de Devina recorrer a uma psicanalista para tratar de sua depressão. Achei isso uma graça, talvez um dos poucos momentos cômicos, além dos outros anjos Adrian e Eddie e do próprio Jim.
Sua ansiedade está relacionada à sua coleção de objetos que a ligava às almas que lhe pertenciam, não era apenas uma obsessão por coisas materiais. E depois que fora desfalcada de um desses objetos, seu cuidado deveria ser redobrado.
O mais novo item se sua coleção era uma blusa moletom manchado com sangue. Sangue daquele que será seu mais novo alvo.
O dono do moletom, Isaac, está simplesmente procurando sobreviver incógnito, vivendo das lutas clandestinas, onde ele é a atração principal. Durante uma dessas lutas ele é preso. Para livrá-lo da prisão, entra em cena a advogada Grier Childe, que tem seus próprios fantasmas para enfrentar – literalmente.
Naomi Watts
Grier é uma advogada rica e dedicada, que reserva um pouco de seu tempo para defender aqueles que não possuem muitos recursos. Quando Isaac descobre que sua defensora resolve pagar sua fiança, ele decide que deve resolver, de uma vez por todas, essa situação.
“Ele estava saindo das operações especiais porque tinha se conscientizado, e isso significava que não poderia sustentar aquela situação de Grier Childe ter dado cobertura a ele até aquele ponto. Ela parecia rica, mas 25 mil era muito dinheiro, não importava o quanto você valesse a pena.
Inferno, ele não se sentiria bem nem mesmo se um agiota pagasse essa dívida. Mas e aquela mulher elegante a quem ele mentiu? E envolveu em uma missão suja?
Não. Ele não estava disposto a deixá-la em apuros.
E aquilo simplesmente complicava tudo.”
Complicava tudo em todos os sentidos, pois como tudo o que J.R. Ward faz, Desejo não é previsível, é tensão pura.
 E há muita coisa acontecendo nessa história. Como Jim estar procurando por Isaac para tentar tirá-lo do país, tirando-o assim da mira de Matthias, quando ele percebe qual será sua mais nova missão.
“Com um rápido inclinar de sua cabeça, Jim observou o céu escuro e pensou sobre a maneira como sua primeira missão tinha acontecido: não houve coincidências em qualquer momento da cadeia de acontecimentos. Tudo e todos com quem ele se encontrou estavam entranhados em sua tarefa. E, nossa! Meu Deus! Não era difícil imaginar que Matthias estava jogando no time de Devina. O cara praticava o mal onde quer que fosse, cometendo atos de violência e fraudes que tiveram um efeito em escala global assim como alteraram vidas para sempre.”
Com isso em mente, Jim chega à conclusão de que não se encontrou com Isaac apenas para acertar uma dívida com o rapaz.
Mas serão tantas coisas a acontecer nessa obra que fica difícil desatar o nó que a Sra. Ward criou. Como eu disse: com ela tudo é imprevisível.
Para incrementar ainda mais a situação, a tensão que surge entre Isaac e Grier, embora esperada, é avassaladora. E mesmo com o fantasma de seu irmão a escoltando, Grier ainda é capaz de tomar suas próprias decisões.
Ela sente a mesma necessidade de salvar Isaac de suas escolhas, como sentia com seu irmão, mas havia uma outra necessidade que estava surgindo em relação aquela homem enorme em sua cozinha.
Quando ela o convence a ficar por uma noite na segurança de sua casa, Grier 
tem a esperança de fazer com que Isaac pare de fugir e resolva sua situação com o governo definitivamente, mas o que ela consegue é fazer com que ele se sinta cada vez mais atraído por ela.
“Ele a queria. Com uma ânsia que poria um maldito vínculo entre eles.
– Isaac?
A voz dela... aquele vestido... aquelas pernas...
– Eu preciso ir – ele disse de maneira severa. Na verdade, ele precisava entrar... dentro dela. Mas aquilo não ia fazer parte da situação. Mesmo que ele tivesse que cortar seu membro e queimá-lo naquele adorável jardim que ela tinha. (Oh! Desperdício!)
[...]
– Eu poderia matá-la. Bem aqui. E agora.
Aquilo a calou.
Quando ela levantou as pontas dos dedos até seu pesado colar de ouro, como se estivesse imaginando as mãos dele em volta de sua garganta, ele caminhou até ela.
E, desta vez, ela recuou... até o balcão onde seu prato vazio a deteve.
Isaac continuou a se aproximar até que esticou os braços nas laterais dela, fechando as mãos no granito, aprisionando-a de fato. Olhando bem dentro dos olhos azuis que ela tinha, ele estava desesperado para assustá-la de alguma maneira.
– Não sou o tipo de homem com que está acostumada a lidar.
– Você não vai me machucar.
– Você está tremendo e tem uma enorme tensão no seu pescoço agora. Então, diga-me, do que acha que sou capaz.
Quando ela engoliu em seco, ele percebeu que aquela chamada para a realidade estava atrasada... só que ele se sentia um bandido em um show de agressão.
– Sei que está no espírito de salvadora. Mas não sou o tipo de caridade que vai alimentar sua alma. Acredite em mim.
O zumbido de uma energia começou a vibrar entre eles, as moléculas de ar no espaço entre seus corpos e seus rostos começaram a se agitar.
Ele se inclinou, cada vez mais próximo.
– Sou mais do tipo que comeria você viva. 
[...]”
E põe reticências nisso. O homem é quente, e neste momento está fervendo!
Ward é o tipo de leitura tarja preta mesmo: não recomendado para cardíacos, celibatários e, principalmente, menores de idade. Porque quando o assunto é erotismo, ela é tão descritiva que temos a impressão de que estamos vivendo a cena. Recomenda-se o uso de lencinhos e ar condicionado ou ventilador ligado quando abrir um de seus livros, pois ela combina magistralmente ação, suspense, romance e sexo (realista) sem ser vulgar.
O que torna seus machos mais apaixonantes ainda, além da virilidade que faz com que quase sintamos sua testosterona exalando no ambiente, é sua dignidade não percebida. Quase todos eles não se consideram dignos de nada e essa sensação é tão grande e tão forte quanto seu desejo sexual.
Se vocês esperam um romance “meia boca” aqui, lamento informar que não é o que encontrarão.
Paul Marron
Resolvi apresentar minhas impressões sobre Desejo (e eu também desejo), porque estava em falta com esse tipo de leitura que tanto amo: romance-brutamontes-mulheres-fortes + sobrenatural + pancadaria + sexo forte de muita qualidade.
O desfecho... é algo que realmente surpreende a todos: personagens e leitores.
Quanto a Jim, essa certamente está longe de ser a sua última partida neste jogo, mas certamente o desgastou muito, e promete muito mais tensão para os próximos volumes. Confesso que, pela característica imprevisível da escrita de Ward, estou muito preocupada com o destino da humanidade nesta série fabulosa que é Fallen Angels.
Se estiverem interessados, podem acessar o link das livrarias que se encontram na lateral direita deste blog envenenado!
Fico por aqui, desejando a todos uma Páscoa primorosa, recheadinha de amor, paz, muitos abraços e beijinhos com gostinho de chocolate.
Fiquem bem e Carpe Diem!

28 de março de 2013

Resenha: Sangue Quente pela @EditoraLeya



Sangue Quente

Autora:
 Isaac Marion

Editora:
 Leya

Páginas:
 256

Ano:
2011

Compre:




Sinopse:


R é um jovem vivendo uma crise existencial - ele é um zumbi. Perambula por uma América destruída pela guerra, colapso social e a fome voraz de seus companheiros mortos-vivos, mas ele busca mais do que sangue e cérebros. Ele consegue pronunciar apenas algumas sílabas, mas ele é profundo, cheio de pensamentos e saudade. Não tem recordações, nem identidade, nem pulso, mas ele tem sonhos. Após vivenciar as memórias de um adolescente enquanto devorava seu cérebro, R faz uma escolha inesperada, que começa com uma relação tensa, desajeitada e estranhamente doce com a namorada de sua vítima. Julie é uma explosão de cores na paisagem triste e cinzenta que envolve a "vida" de R e sua decisão de protegê-la irá transformar não só ele, mas também seus companheiros mortos-vivos, e talvez o mundo inteiro. Assustador, engraçado e surpreendentemente comovente, Sangue Quente fala sobre estar vivo, estando morto, e a tênue linha que os separa. 



"Não sei o que aconteceu. Doença? Guerra? Colapso social? Ou apenas nós acontecemos? Os Mortos substituindo os Vivos? (...) Quando você chega no fim do mundo, não interessa muito que caminho pegou para chegar lá." Pág. 16

Ser um zumbi pode parecer fácil; vagar pela cidade, pronunciar algumas sílabas quando necessário e principalmente não lembrar de como o mundo todo chegou a um nível tão alto de devastação e pobreza. Mas para R está longe de ser assim; ele é diferente, seu lado humano ainda tem uma força extraordinária fazendo com que ele se destaque entre os demais.

Por ser diferente, em uma de suas saídas para alimentar-se, R acaba poupando a vida de Julie, namorada do cara de quem ele comeu o cérebro. De primeira, a relação deles não é uma das melhores, ela não entende porque foi salva e está sendo protegida por um zumbi. 

Aos poucos, os dois vão descobrindo que têm muitas coisas em comum. Julie, com seu carisma e espontaneidade, consegue transformar cada vez mais a "vida" de R. É fofo demais ver a evolução de R para agradar e protegê-la.

"O que tem de errado comigo? (...) Era um efeito placebo? Uma ilusão otimista? Seja como for, sinto que a linha reta da minha existência está mudando, formando vales e morros como os batimentos cardíacos." Pág. 59

Sangue Quente é uma leitura gostosa e divertida, deixando uma lição para nós leitores sobre não julgar, e que muita vezes estar ou não vivo é uma questão de se envolver com as questões, e pessoas, certas. 



Beijos,

27 de março de 2013

Apple News: Lia Shop


Hey Envenenados, como estão?

O Apple News de hoje é para mostrar a vocês as novidades de uma loja virtual que é tudo de bom; O Lia Shop. Para quem não conhece o site começou em 2008 com a venda de produtos baseados na série de livros mais querida na época: A Saga Crepúsculo, o sucesso foi tanto que eles ampliaram a produção para outras séries (tanto de livros e tv).

Hoje eles trabalham com semijoias, folheados, bijouterias, produtos personalizados e muito mais. Essa parceria tem tudo haver com nosso blog, e não poderíamos começar de maneira melhor, deem uma olhada do super pacote que recebemos semana passada:


Fiquei apaixonada pelos mimos, obrigada Lia, são produtos de ÓTIMA qualidade. E essa semana também recebemos uma super novidade: canecas lindas e personalizadas, olha que linda essa do Game Of Thrones...



Para mais informações basta clicar no banner abaixo.


Beijinhos envenenados e até a próxima.

26 de março de 2013

Resenha: 'O que você quiser' da Ed. Planeta!



O que você quiser
Envolvida por um bilionário



Autora: Sara Fawkes
Editora: Planeta
Páginas: 304
Lançamento: 2013
Gênero: Erótico



Sinopse:

Jeremiah Hamilton é um poderoso bilionário que sempre consegue o que quer. 

Quando ele propõe a Lucy Delacourt que ela seja sua secretária pessoal e faça todas as suas vantagens, a jovem resolve encarar a proposta como uma oportunidade para finalmente realizar seus sonhos.

Mas, ao se entregar aos mais ardentes desejos, Lucy não esperava se envolver em um universo cheio de complicações e descobrir muito mais sobre seu chefe e, principalmente, sobre si mesma.

Nesse mundo de riqueza, poder e paixão, Lucy vai desvendar seu lado mais íntimo.


Ok!!
Que atire a primeira pedra aquela que conseguiu manter a promessa de que ia parar de ler romances eróticos e conseguiu...

Vai lá... tô esperando a pedrada... já que eu fiz e não cumpri a promessa...

Pois é, caras amigas... eu havia dito que em 2013 nada de romances eróticos para a Mathildinha aqui... mas a verdade é que as amigas ficam lendo vários livrinhos por aí e ficam me indicando e eu, que sou curiosa demais, acabo me deixando levar e sucumbo ao desejo de ter em mãos mais um bilionário safadinho para chamar de MEU!

Você tá rindo??

Ok... aquela que não ama os bilionários literários também pode atirar uma pedra... eu deixo!! 

Mas joga de levinho pra não machucar a blogueira aqui que vos escreve... tenha piedade!!! he he he he he

Bem... iniciei a leitura de "O que você quiser - envolvida por um bilionário" numa noite e na seguinte eu já havia terminado.
O livro tem uma escrita ágil que faz a leitura ficar gostosa e fácil de acompanhar!!

De cara me identifiquei com a protagonista Lucy Delacourt que tem um trabalho razoável e vive uma vida sem muitas expectativas. Ela não tem o emprego dos sonhos, nem a vida que um dia imaginou ter ... mas vai vivendo um dia de cada vez tentando manter a chama da esperança, de que um dia as coisas vão melhorar, acesa!!

O ponto alto do seu dia é babar, flertar e desejar com o olhar um homem super gostoso e lindo que pega o mesmo elevador lotado que ela todas as manhãs. O desconhecido é alto, sexy, moreno... um verdadeiro tesão!

Quem nunca flertou com um cara gostoso por aí? Quem nunca ficou na expectativa de reencontrá-lo? Quem nunca fantasiou sobre ele... Eu já vivi uma situação bem parecida e é uma delícia sentir a ansiedade e esta expectativa... que antecede a troca de olhares, o sorriso sacana, a virada de cabeça ou a jogada do cabelo...

Bem, Lucy achava que estes encontros não passariam disso: olhares... sorrisos... Mas, num belo dia o elevador vai se esvaziando e ela acaba sozinha com o garanhão sexy e antes mesmo que processe a informação... ele a 'ataca' sem piedade e faz com ela excitantes coisas que só sua imaginação fértil era capaz de elaborar!

Ao sair do elevador totalmente desnorteada e sem ar... Lucy precisou parar, se ajeitar e fazer perguntas importantes que norteiam a vida de qualquer pessoa... "Onde é que eu tô?" "Pra onde é que eu vou?" "Que dia é hoje?" 
Eita, que eu ri muito com essa situação...

E antes que se recuperasse da desorientação total, a coitada é chamada na diretoria e leva outra paulada ao perceber que seu sexy desconhecido é o dono da empresa onde ela trabalha: Jeremiah Hamilton!!

Antes de piscar duas vezes, Lucy se vê enredada a uma proposta prá lá de indecente e pensa que já que vai ser uma 'paniquete submissa' nas mãos daquele bilionário, (Porque é lógico que o tesão que ela sente por ele não vai deixá-la falar NÃO!) é melhor tirar vantagem da situação e faz uma contraproposta onde também vai tirar proveito dos bilhões do rapaz!
Garota inteligente essa!!! Ganhou pontos comigo!!

Lucy não é nada ingênua, virginal e inocente!! Ainda bem...

Aí minhas queridas amigas... o livro começa a realmente relatar situações e acontecimentos que só uma mirabolante mente perva é capaz... 

São várias as cenas onde os dois vão conhecendo o gosto pessoal e sexual de cada um e Lucy vai se deixando levar e fica realmente surpreendida que a atração a leve a caminhos que antes nem podia imaginar!!

 Se você já teve um relacionamento onde a palavra 'tesão' falasse mais alto... você vai entender o que estes dois passam...

Não rola amor e romance... é tudo altamente carnal e avassalador!

Mas, eis que um dia... quer dizer, numa festa... Lucy é apresentada ao irmão de Jeremiah... O irmão sexy, bad-boy, sarcástico, irônico e sexy (Já disse isso?) Lucas, mais conhecido como Loki!

Depois desse dia, as coisas nunca mais serão as mesmas...

A inimizade dos irmãos traz para a relação do casal um perigo escondido... onde interesses obscuros e uma vingança antiga consegue colocar em perigo a vida de Lucy.

Neste ponto a história dá uma reviravolta fantástica, onde nada é o que parece e onde os inimigos podem ser os mocinhos...

Lucy passa por uma provação terrível e começa a repensar sua decisão de se jogar de cabeça numa relação com uma cara que não conhecia... e ela faz algo que me deixou de queixo caído!!

O final é imprevisível e eu adorei!!! Adorei!!! Adorei!!!


Agora é aguardar ansiosa aqui pelo próximo volume e que a editora Planeta não demore demais para lançar!! Entendeu, Felipe?? rs

Lá nos Estados Unidos a série Envolvida por um Bilionário já tem 5 livros publicados:
  1. O Que Você Quiser
  2. Anything He Wants 2: The Contract
  3. Anything He Wants 3: Love and War
  4. Anything He Wants 4: Collateral Damage
  5. Anything He Wants 5: The Betrayal


Tá esperando o quê?? Compra agoraaaaaaaaaaa...

Clique aqui e se joga amiga!!!

     


 Beijocas,

25 de março de 2013

Sessão Pipoca: O mestre.




Título original: The master
Título no Brasil: O mestre
Roteiro e Direção: Paul Thomas Anderson
Elenco: Joaquin Phoenix, Philip Seymour Hoffman, Amy Adams, Laura Dern
Idioma: Inglês
País: EUA
Ano de produção : 2012
Lançamento: 2013
Censura: 18 anos
Duração: 2h 24 min
  





O mais impressionante em " O mestre" não é que ao decorrer da sessão ao menos 10 pessoas se levantaram da sala indo embora na metade, nem que no cartaz do filme venha vendendo o filme como  a " História do criador da cientologia" ( religião que tem como seguidores os famosos John Travolta e Tom Cruise) mas sim a pergunta que nos fazemos depois de mais de 2 h de filme: " Porque mesmo Paul Thomas Anderson focou em um personagem quando o outro era muito mais interessante?"

O tal personagem é Freddie Quell ( interpretado muitíssimo bem por Joaquin Phoenix) um ex combatente que se tornou alcóolatra e costuma preparar uma bebida muito louca com solvente. Ele não só arruma confusão com tudo e todos como é um personagem tão insano que assusta o espectador, a gente fica sempre esperando pelo pior, já que ele é extremamente violento. É em cima dele que gira a história do filme, um belo dia fugindo de mais de uma confusão que se meteu, ele entra em um barco, quando acorda vê que está no meio de uma família liderada por Lancaster Dodd ( Phillip Seymour Hoffman, primoroso como sempre!), ninguém menos que o criador de uma religião no qual se acredita que voltando ao passado através de hipnose se consegue curar problemas do presente incluindo doenças graves.

Autor de um livro chamado " A cura", Lancaster logo adota Freddie e se vicia na tal bebida que ele prepara. Se envolvendo cada vez mais com a família dele e demonstrando todos seus traumas no decorrer dessa estranha amizade, ele vai dividir as opiniões da família do " mestre" , que vai começar a achar que ele não tem jeito mesmo.

Com atuações ótimas de Phoenix e Seymour  o filme só vale o ingresso por eles. Uma Amy Adams mediana interpretando o papel de Peggy ( esposa de Lancaster) completa o trio de atores que concorre ao Oscar pelo filme.

O problema é exatamente que o roteiro não se segura, seria muito mais interessante retratar  a vida de Lancaster e não de Freddie.

Esperava muito mais de um filme que fez tanto sucesso na crítica, para mim passou muito longe de ser uma obra-prima como alguns chegaram a cogitar.

Até a próxima,

Raffa Fustagno

24 de março de 2013

Resultado da promoção "O Inferno de Gabriel"

Boa tarde Envenenados,

demorou mais chegou o grande dia de sabermos quem levará para casa o inesquecível professor Gabriel. Quem está sentindo a sorte do seu lado? Antes de revelarmos quem foi o sortudo/a queremos agradecer á todos que participaram e ajudaram a divulgar essa promoção.



Tivemos que fazer três sorteios para enfim conhecer o sortudo que seguiu todas as regras....


PARABÉNS 

Entraremos em contato com a vencedora via DM e ela tem até 26 de março de 2013 para responder, caso isso não ocorra um novo sorteio será realizado!

Lembrando que a responsabilidade de envio é da editora Arqueiro no prazo de 30 dias.

E para quem não ganhou ainda te uma SUPER promoção de Páscoa rolando, para saber mais basta clicar AQUI.

Beijinhos, até a proxima,


23 de março de 2013

Então por que você ainda não assiste Revenge?


Você: Ah, Caíque, porque tem essa coisa "novelão", a história é muito complexa...

Bullshit.
Eu: "Revenge" parece mesmo novela, contudo esse é o barato! É uma parada para acompanhar aos poucos e assim aproveitá-la, sem o compromisso ressaltado, já que somos impelidos a assistir os capítulos pela não tão simples de controlar necessidade de saber o que vai acontecer. A história é grande sim, uma rede de escândalos, planos quase infalíveis, safadeza perversa, assassinatos, polêmicas sem mamilos, cretinice escancarada e tudo que há de bom e que dá pra piorar a situação.


Você: Tá, mas ainda assim... Eu li um resumo bem pequeno, é sobre o quê na verdade?
Emily Thorne, cujo verdadeiro nome é Amanda Clarke, volta aos Hamptons para se vingar das pessoas que destruíram sua família e causaram a morte de seu pai. Quando Amanda era apenas uma criança, seu pai foi preso acusado injustamente de terrorismo, sendo julgado e condenado a prisão, onde acabou morrendo. Amanda sente que teve a vida destruída por essas pessoas que armaram contra seu pai, fazendo com que ela passasse sua infância na detenção juvenil. Quando completou 18 anos, ela foi solta e recebeu a herança de seu pai, além de uma caixa contendo detalhes sobre as pessoas que arruinaram a vida deles, assim ela muda seu nome e resolve se vingar de cada um deles.
Uia.
Eu: No começo é assim, criando esse vício na badass Emily/Amanda trollando legal os incriminadores-coadjuvantes de seu pai, vendo-os cair em seus próprios erros e na revelação de seus segredos, mas os principais culpados, a Família Grayson, pagará aos poucos - ou não. Não se trata apenas de eliminar alvos das mais mirabolantes maneiras possíveis, se torna algo bem maior, mais perigoso, envolvente e até mesmo mais sexy. Só dá para saber como de um jeito: assistindo caramba, tô bom no mistério.

 Você: Nossa, com essa sinopse parece até novela mexicana...

"Isso é discutível."

Eu:  Eu sei! Não é demais? "Revenge" é uma ótima novela mexicana norteamericanizada, porque né, ir humilhada e voltar rica, linda, boladíssima e com sangue "nozóio" é muito Televisa. Mas da maneira com que foi feito, não tem aquele lance de quem é pai de quem - ou talvez tenha -, quem é amante de quem - é, talvez tenha isso também -, quem é o psicopata favorito da mamãe - isso tem mesmo -, quem é o alpinista social de quem - nossa, isso tem bastante -... Bem, a Thalia não faz a Emily, entendidos?


Você: Mas se foram várias pessoas que ferraram com o pai da guria, o elenco é cheião?
Eu: Não exatamente. Muitos atores e atrizes são convidados para interpretar tais papeis e, depois de amargar no Veneno Thorne e cia. - sim, ela não estará sozinha na vingança! -, acabam nunca mais aparecendo, então o elenco fixo tem uma quantidade comum. Você vai gostar muito de Emily, porém ainda mais de Victoria, a matriarca dos Graysons - apropriadamente reconhecida por "mother bitch" - e o joanete mais doído de Amanda. A mulher dá um olhar de "matei o Sr. Mostarda no lavabo com agulha de crochê e daí" e você cria um rabo imaginário só para colocar entre as pernas. Sinistro.

Épico.
Você: Ah, vilãs que a gente ama/odeia são demais!
Eu: E por mais que a ABC falhe em alguns pontos estruturais porque né, é a ABC, vale a pena, cara.

Você: Então... Guilty Pleasure?

Bem-vindos ao vício, revengers.

Eu: Total.

Você: Peraí... Eu googlei a série aqui e deu que já está na segunda temporada. Dá para acompanhar mesmo assim, não tô muito atrasado?
Eu: Claro que não! Cada episódio dura uma média de 40 a 45 min. e são uns 22 por temporada, e estamos quase acabando a segunda. Se começar o mais breve possível, dá para pegar tranquilo, tranquilo o começo da terceira - seja lá quando ela voltará de seus agoniantes hiatus. E se prepara que tem muito "PÁ" na sua cara.

Você: Beleza, pô.
UMA SEMANA DEPOIS ACORDO PENSANDO:

"O que há na vingagenda para essa manhã?"
Você: Cara, acabei de ver a primeira temporada daquela série que tu me indicou.
Eu: E aí, curtiu?
Plmdds.

Você: Meu, como sobrevivi tanto tempo sem "Revenge"? Já catei pro torrent a segunda, valeu demais!
Eu: Poxa, tô aqui pra isso pagar ninguém quer.

Você: Mas cara, tem só uma coisa. A Emily nos flashbacks...
Eu: Eu sei... Perucas... Ficam estranhas nela. Não são o forte da ABC. Mas pelo menos tem aqueles trechos "Lispector" no começo e no final. Preenche muito status do feice que eu sei inclusive o meu.



 Nota: o blog alcançou a marca de 3000 seguidores! Em nome de toda a família envenenada - para a qual acabei de adentrar -, muitíssimo obrigado! E que venham outros 1000 loucos por maçãs!

22 de março de 2013

Sexta Envenenada: Ler, Viver e Amar em Los Angeles



“Todas as melhores histórias do mundo, na realidade,
nada  mais são do que uma única história,
a história da fuga.
É a única coisa que nos interessa a todos
e todo o tempo: Como fugir.”
Arthur Christopher Benson


Olá, Envenenados!

Tudo bem? Tenho certeza de que, pelo menos por ser Sexta, todo mundo concorda que está tudo ótimo!
Como vocês lidam com os problemas do cotidiano?
Longe de querer ser fofoqueira, pois detesto fofoca, só por curiosidade e porque o tema de hoje tem tudo a ver, como e quanto as dificuldades mexem com vocês?
Será possível adiar eternamente situações difíceis, ou simplesmente ignorá-las?
Até que ponto estamos preparados para encarar e resolver nossos próprios problemas?
A Sexta Envenenada de hoje não é sobre nenhum livro de auto-ajuda, nem pretende ser um divã para ninguém, mas é sobre Dora, a protagonista de Ler, Viver e Amar em Los Angeles.
“As mulheres fazem coisas diferentes quando estão deprimidas. Algumas fumam, outras bebem, outras ligam para o terapeuta, algumas comem. Minha mãe costumava ficar furiosa quando ela e meu pai brigavam e, depois, se embriagava durante dias sem fim e desaparecia dentro do quarto. Minha irmã era mais do tipo frieza total; dê-lhes um gelo e, nesse meio tempo, devore um bolo gelado Sara Lee de banana. E o que eu faço - o que sempre fiz - é sumir de tudo e de todos, mergulhando em um porre literário que pode durar vários dias.
Edição de 2008
Eu caio nesse estado por diversas razões. Às vezes é depois de uma briga do tipo "Não aguento mais olhar pra sua cara". Outras vezes, é sintomático do meu estado psicológico, tédio até o último fio de cabelo, minha vida que está bagunçada, e aquele sentimento de medo sempre que me perguntam o que ando fazendo. Como alguém pode colocar todas essas coisas em ordem? Levando tudo em consideração, prefiro ler. É a fuga perfeita.”
Quem pensa assim, levanta a mão aê!
Sério gente, dos prazeres que vamos descobrindo na vida, ao longo do nosso desenvolvimento, ler é de fato o que não causa mal nenhum, a não ser que seja aquela leitura tortura.
Leitura tortura – sf+adj – substantivo seguido de adjetivo – no vocabulário dos amantes da leitura é mais ou menos aquele tipo no qual a gente lê por obrigação, ou porque você vai ser avaliado sobre o livro que está lendo (horror de muitos da minha época), ou porque o livro está super na moda e você quer ter o que comentar sobre ele, ou um amigo o indicou está louco para saber a sua opinião e o livro é uma bomba e, na pior das hipóteses, você é um infeliz de um blogueiro que tem por obrigação ler e resenhar aquela obra e ainda tentar ser imparcial.
Para mim, ler é sempre um exercício e lamento muito não ter mais tempo para esse prazer. Exercitamos nossos conhecimentos, nossa imaginação, nossa capacidade de sonhar e até mesmo nossa paciência.
Kaufman e Mack
Há alguns anos, numa das minhas expedições exploradoras de livrarias, encontrei um livro bem simpático cujo título mais me lembrava uma peça teatral. O livro era Ler, Viver e Amar em Los Angeles de Jennifer Kaufman e Karen Mack, publicado pela Casa da Palavra em 2008.
O que me chamou a atenção foi o fato de as autoras colocarem a ação de Ler à frente de viver e amar. Aqui é dada uma importância tal à leitura, que poderíamos dizer que torna-se vital. E por que não?

“Eu coleciono livros da mesma forma que minhas amigas compram bolsas de grife. Às vezes, só gosto de saber que os tenho e lê-los de fato não vem ao caso. Não que eu não termine lendo-os todos, um por um. Eu os leio. Mas o mero ato de comprá-los me deixa alegre — o mundo é mais promissor, mais satisfatório. É difícil explicar, mas eu me sinto, de alguma forma, mais otimista. A totalidade do ato simplesmente me faz feliz.”
Outro fato curioso é o de ter sido escrito a quatro mãos e, definitivamente, não ter desandado a receita, pois o livro é ótimo. Não é sobrenatural, como curtimos muito por aqui, pelo contrário, é bem real sem ser biográfico.
Edição de 2011
Nesta obra conhecemos Dora, não a Aventureira, mas poderíamos chamá-la assim também. Este livro, incrivelmente narrado em primeira pessoa, é surpreendente por inúmeros motivos, contando os que citei anteriormente.
Dora é a nossa cara, e vai além, ela faz piada de si mesma, não é vítima, vai à luta e usa seus livros como refúgio. Mas o mais legal nessa mania é o ritual que ela tem para seus “porres literários” como ela mesma define. Começando por abrir uma garrafa de vinho tinto, desligando o celular e reunindo os livros que pretende ler ou reler. Na melhor parte, depois da leitura é claro, ela enche sua banheira com sais de banho e liga seu rádio Deco antigo que só consegue sintonizar em uma única estação, que fantasticamente passa clássicos de jazz dos anos 1950 e 40.
Vamos combinar, é ou não é uma tentação?
Tão divertido e atraente é o bom-humor como o qual ela se descreve fisicamente.
Mas ela aprendeu a ser assim, desde o acidente que sofreu com sua irmã e sua mãe, as separações de seus pais, as brigas que presenciava, a sua própria separação e, como a cereja em cima do chantili, ela também perde sua carreira.
Mas foi ainda na infância que Dora aprendeu a beber até ficar embriagada, mas não de garrafas de bebidas alcoólicas, mas sim nas páginas de seus livros. Somente assim ela ficaria alheia aos problemas que assolavam o mundo fora das capas dos livros.
Após a segunda separação, Dora vive entre seus porres literários e suas jornadas às livrarias. Durante uma dessas viagens, ela conhece Fred e cai nas graças desse cara que é formado em literatura e a leva a fazer inúmeras descobertas.
O livro é uma simpatia, a protagonista poderia ser qualquer uma das leitoras desse blog ou de tantos outros. A leitura é prazerosa e sem frescuras.
Outro ponto positivo é o fato de haver citações de vários autores durante a história, e além de narrar os fatos de sua vida com humor e verdade, Dora não se põe no lugar de vítima, ninguém é culpado, ela vai destrinchando e, ao mesmo tempo, fazendo uma análise de si mesma e do rumo que vem dando à sua vida.
“Meu primeiro marido, Jack, foi uma história diferente. Ele era o clássico bom partido da escola – bonito, popular, atlético e gostava de festas. Foi onde eu o conheci, a propósito, em uma festa. Pela primeira vez em minha vida, me senti “incluída”. Ele também foi o primeiro homem a me dizer que eu era sexy, linda e desejável – como posso não amá-lo para sempre?
Quem dera que eu tivesse uma razão melhor para achá-lo tão atraente. Mas não consigo. Eu me casei com ele porque ele era um gostosão. Ponto final. Ninguém entendia, mas o negócio é que os homens fazem isso o tempo todo e ninguém dá a mínima. Por que as mulheres têm que inventar todo tipo de explicações ao fazer a mesma coisa? Não tentei impressioná-lo com a relação que eu tenho com os livros porque sei que ele não daria a menor importância. Para ser sincera, na verdade foi uma experiência muito libertadora... E muito romântica.
Como Shakespeare sabiamente observou em A Tempestade, o amor romântico é tão mais complicado do que isso. Embora Jack me deixasse fervendo na cama, ai, ai, isso não compensava o fato de que ele não tinha qualquer tipo de curiosidade intelectual...”
Aff! Alguém conseguiu se colocar no lugar da guria? Pois é!
Mas quando Dora começa a se relacionar com Fred, o gostosão da livraria, e conhece a família do rapaz, ela também inicia outra aventura, mas desta vez sobre pontos de vistas seus a respeito da tudo, e começa a olhar a sua vida com outros olhos.
Sabe aqueles momentos em que parece que mais nada de excitante ou definitivo acontecerá em nossa vida? E, de repente, tudo pode mudar?
Pois é, entrar no mundo de Ler, Viver e Amar em Los Angeles é um convite agradável para uma leitura descomplicada e gostosa.
Leiam, e me digam o que acharam. Se já o leram, me digam também!
Enquanto isso, eu volto para minhas outras leituras, louca para me aventurar mais uma vez no mundo de Dora e vou cuidando desse resfriado enjoado que não me larga de jeito nenhum!
Fiquem bem e Carpe Diem.
 

Ou receba as atualizações no seu email:

Delivered by FeedBurner

Posts Recentes

Últimos Comentários

As envenenadas pela maçã Ѽ by TwilightGirls RJ Ѽ - Copyright © 2012 - Todos os Direitos Reservados