23 de janeiro de 2013

Papo Envenenado: Fora... já levou um?



 'Como dar um “fora” sem perder a amizade?'

Eis aqui uma questão que pouquíssimos homens precisam passar, porém a maioria de nós não consegue evitar.
Sabe aquele amigo super fiel, companheirão, com quem podemos confidenciar nossas mais íntimas histórias? Aquele que tem sempre algo a nos dizer, que nos faz rir, em quem podemos dar um selinho sem ser mal-interpretado?
Pois é, um dia você descobre que esse carinha divertido, parceiro, protetor, quase assexuado, está perdidamente apaixonado. Aí você fica perguntando quem é a sortuda, porque – vamos combinar – ele é demais, charmoso, sincero, é tudo de bom... mas ele sempre diz que é segredo, que está aguardando o momento certo para falar e tal.
Claro, você faz o maior dramalhão, dizendo que ele não confia em você, que não conta tudo como você faz, diz que ele não está na amizade como você – aquelas bobagens que todas nós somos capazes de fazer para arrancar o segredo de alguém e, por incrível que pareça, só ele é que não se convence.
Nem o argumento de que ele não confia em você como você nele, que a amizade está ameaçada, faz com que ele se abra.
Só o que ele diz é que quando tiver coragem de contar para a sortuda, você será a primeira a saber.
Vida que segue.
A amizade continua; vocês estão cada vez mais juntos, você compartilha com ele tudo o que acha mais atraente num cara, fala de suas decepções e alegrias e, caramba, ele te ouve e ainda de apóia. Mas você está tão entusiasmada por encontrar um amigo que não quer mais nada além da sua amizade que não consegue enxergar as mudanças.
Um belo dia, vem a grande revelação: a mulher de sorte, a pessoa para quem ele dedica horas idealizando momentos íntimos, aquela que tem todos as virtudes que ele passou horas dissertando e você achou o máximo, estimulou-o a falar mais, e ficou roxa de inveja, desejando que alguém dissesse e sentisse por você, é ninguém menos que: VOCÊ.
...
E aí???
...
Gostaria de saber o que faria um homem numa situação dessas.
Como mulher, já passei por isso e vi amigas passarem também. O resultado, quase sempre é constrangedor, porque você nunca imaginou que era alvo dos sentimentos dele. Sempre falou de tudo, até de decepções amorosas, da maneira mais natural, como se estivesse falando com outra mulher.
O pior é que, pelo menos eu, nunca namorei amigo, nunca senti-me atraída por qualquer um dos meus amigos, por mais lindos, gatos e divertidos que fossem, nunca passaram disso.
O fato é que o homem, pelo que experimentei, não está acostumado a ser “rejeitado”, porque é exatamente isso o que ele sente – rejeição. E não adianta você dizer que ele é maravilhoso e que você não o merece, pois parece que só piora.
Há alguns anos trabalhei numa editora; eu era responsável pelo setor de redação e tinha um amigo, muito querido, que era chefe da composição – naquela época era o local onde todos os originais eram digitados, configurados e fotocopiados e emitidos para o setor de arte final.
Pois bem, trabalhamos muito tempo juntos, fizemos uma amizade muito legal, conversávamos bastante, almoçávamos juntos, tomávamos café e fumávamos juntos no intervalo. Pois é, eu fui fumante: condenem-me.
Enfim, uma dia, esse amigo, que era muito engraçado, sempre com alguma piadinha pra contar, entra na minha sala extremamente sério. Até pensei que algo ruim tivesse acontecido. Me pediu para conversarmos a sós e me jogou a bomba no colo: “Olha só, você é uma garota muito legal (na época eu tinha 22 anos), eu te curto de montão, você sabe. Mas eu ‘tou’ super afim de ficar com você”.
Putz! Na hora eu ri, pensei que ele estava brincando, mas a cara dele me disse que não. Então, com toda a sutileza e cuidado que uma guria naquela idade podia ter, que nunca tinha passado por aquela situação, principalmente no trabalho,  eu disse: “Cara... olha só... er... como assim? Afim de mim? A gente é amigo, gosto de você como amigo e nunca pensei que você pudesse sentir algo assim por mim...”
Um desastre total. A decepção dele podia ser tocada. Só o que ele disse foi “Tá maneiro.”
Mas não, não estava maneiro, pois depois disso ele mal falava comigo, não ia mais à minha sala, me evitava o máximo que podia.
Quando pensei que havia superado tudo, numa brincadeira boba ele acabou me machucando, e ficou muito sem jeito. Dias depois, ele foi ao meu departamento para dizer o seguinte: “Olha só, eu quero você, e se não posso ficar com você, eu prefiro não falar mais com você. Não quero só a sua amizade. Não fale mais comigo, valeu? Vou acabar te machucando.”
Gente, eu até entendi, mas fiquei tão chocada, não só pelo que disse, mas por saber que estava perdendo um amigo, por algo que não era culpa minha. Felizmente, depois de alguns meses, ele me disse que sentia falta de conversar comigo e que me adorava e sentia muito pelo que havia dito, disse que eu sempre fui “maneira” com ele e que estava sendo um “otário” agindo assim.
Eu o perdoei, mas a amizade jamais foi a mesma.
Essa não foi a última vez que passei por isso. As reações foram as mais variadas, mas todos se afastaram de mim.
O que fazer numa situação assim?
Hoje, com a experiência, ainda tenho dúvidas sobre como agir a esse respeito. Então resolvi não ser tão íntima, a não ser que seja inevitável – sei que me entendem – tenho amigos, mas permito que me conheçam apenas o que julgo necessário.
Não conheço nenhum homem que tenha passado por isso. Será que isso é algo que somente as mulheres passam? Será que nós somos tão maternais assim, a ponto de ficarmos na maior saia justa por causa de um amigo que, provavelmente, confundiu tudo? Será que aquela frase antiga – “Não existe amizade entre um homem e uma mulher, a não ser que ele seja gay” – é verdadeira?
Eu espero que não, espero que as pessoas analisem mais seus sentimentos e que pensem bem antes de tomar qualquer atitude. A pessoa que é alvo de um sentimento não tem culpa de como o outro se sente, nem é obrigada a sentir o mesmo.
Cuidem de suas amizades, às vezes elas cuidam muito mais de nós que nossos amantes.
E você, o que faz numa situação dessas?

Tania Lima

8 comentários:

  1. Que complicado, né? Eu já passei por algo parecido... Era muito nova, e meu melhor amigo pediu para namorar comigo... Eu aceitei, e achei q era uma ótima ideia! O namoro era bem infantil, acabou nao dando certo, e eu perdi um amigo q acho q sinto falta até hj... Depois desse dia, prometi que jamais deixaria as coisas se confundirem de novo! Decidi que preferia ser uma solteira com amigos, que uma solteira sem eles hahaha!
    Mais para frente, um outro amigo meu falou comigo super sem jeito, e eu consegui convencê-lo que não era muito boa ideia... Hoje temos uma amizade de 10 anos, que nao se abalou mesmo quando ficamos muito tempo sem se ver!
    Para finalizar, já na faculdade fiz um amigo incrível! Paciente, simpático, divertido! Passávamos dias juntos, jogando vídeo-game e assistindo filmes! Um dia, simplesmente nos beijamos... E estamos namorando faz 4 anos! \o
    Complicado né?

    Adorei o post! =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que gracinha, Ligia!
      Você é uma menina de sorte, pois nem todo mundo tem esse desfecho. Por isso é bom saber que algumas vezes pode dar certo, mas pelo menos você também estava a fim, né?
      Complicado mesmo!
      Que bom tê-la aqui compartilhando figurinhas!
      Beijos querida!

      Excluir
  2. Amei,somente lendo aqui sobre o assunto que eu parei pra pensar,eu tinha um amigo que era meu companheiro de onibus,iamos sempre sentados juntos.Quando eu estava no pré,com 6 anos e na sexta serie com 12 anos eu gostei dele,paixonite sabe? e ele nunca ligou,depois que ficamos amigos de novo eu contava td pra ele,e ele sempre dava indiretas que na época eu fingia não entender,melhor assim do que ter que dar um fora em um amigo,ainda bem que ele era tímido,pelo menos a gente se cumprimenta sempre que se vê.
    Super beijos.
    Eu não quero ser chata,mas vou deixar o link do meu blog aqui se alguém tiver um tempinho,comecei agora e todos são bem-vindos.> http://livropararecordar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Larissa, que sorte a tua!
      Ele ficar só na indireta ficou mais fácil mesmo. Se ele se declarasse a coisa ia se complicar né??
      É bom namorar, mas ter amigos é maravilhoso!
      Beijão, linda, assim que puder passo na sua casinha!
      Tania

      Excluir
  3. Aconteceram situações assim comigo. Na última vez eu não tive coragem de dizer não.... Estamos juntos há 7 meses rsrsrs...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Ju! Difícil né?
      Só espero que esteja bom pra ti, pois ficar com alguém não requer apenas gostar.
      Que bom que você passou por aqui e registrou sua experiência!
      Beijão!

      Excluir
  4. ahuashusahu eu ja levei alguns, mas nao foram mts pq eu sempre fui mais tranquila e nem ligava mt pra relacionamentos, mas eu ja dei muito fora
    inclusive no meu marido que a gente tava ficando e eu dei um fora nele e ele insistiu de novo e pá ficamos e casamos um tempinho depois

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aff! Que reviravolta, hein Alice!?
      Às vezes precisamos de um empurrãozinho mesmo.
      Felicidades pra ti e pro maridão!
      Beijos
      Tania

      Excluir

Destile seu veneno, comente!

Ou receba as atualizações no seu email:

Delivered by FeedBurner

Posts Recentes

Últimos Comentários

As envenenadas pela maçã Ѽ by TwilightGirls RJ Ѽ - Copyright © 2012 - Todos os Direitos Reservados