31 de dezembro de 2013

Em 2014 ...

Boa tarde Envenenados,

Tudo bem com vocês?! Preparados para mais uma noite de festa!?
Acredito que muitos já estão reunidos com a família, viajando, e é claro relembrando o melhor e o pior de 2013... A nostalgia toma conta de nós e a promessa que um novo ano traz nos deixam mais animados para estipular novas metas.

Desde o natal estamos pensando no que escrever para vocês nesse ultimo dia de 2013; uma reprospectica talvez!? Uma mensagem de motivação?! Um agradecimento!?

Buscando inspiração pela redes sociais me deparei com uma postagem do editor de livros da revista Época, Danilo Venticinque, entitulada "Sete resoluções de Ano Novo para quem gosta de ler", ela resume em grande parte tudo que nós do Envenenadas desejamos à vocês querido leitores...



1. Ler todos os dias, sem falta 
(...) Tornar a leitura um hábito diário é uma maneira de cumprir todas essas metas. Se você for seguir apenas uma resolução literária para 2014, que seja essa.
2. Espalhar mais livros 
Não deixe sua estante lotar em 2014. Ajude a literatura a circular. Doe os livros que não pretende ler mais. Empreste livros para seus amigos, e não se incomode se eles não forem devolvidos logo. São raros os livros que temos tempo para reler. Se ao terminar de ler um livro você perceber que ele já cumpriu  sua missão, passe-o adiante. Ajude a leitura a se espalhar.
3. Conter o consumismo
(...) Resistir a todas as tentações é impossível. Continuaremos comprando livros em 2014. Mas não custa nada tentar conter os impulsos consumistas e lembrar que os livros precisam ser lidos. Não há diferença objetiva entre um livro parado na livraria e um livro parado na estante de casa.
4. Formar novos leitores
(...) Em 2014, apresente os livros para alguém que ainda não tem o hábito de ler. Se cada leitor converter apenas um não-leitor por ano, em pouco tempo seremos um país de leitores.
5. Redescobrir o Brasil
(...) 2013 foi um ano excelente para a literatura brasileira. Que em 2014 os escritores brasileiros percam definitivamente a vergonha de vender, e que os leitores não tenham vergonha de comprar seus livros.
6. Conversar mais sobre livros


A leitura é um hábito solitário e silencioso, mas o silêncio e a solidão precisam ser interrompidos de vez em quando. Para quem está acostumado a guardar para si as alegrias da literatura e as divagações que os livros provocam, o próximo ano é uma chance de dividir essa paixão. Há outros leitores espalhados por aí. Descubra-os. Fale com eles. Cada conversa ajuda a reforçar o hábito da leitura, descobrir novos autores e compartilhar os livros que amamos.

7. Cumprir as promessas do ano passado


As melhores resoluções de Ano Novo são renováveis. Talvez você não tenha cumprido algum item da sua lista para 2013. Talvez tenha falhado em todos eles. Não importa. 2014 acolherá todas essas promessas – e mais outras, se estiver disposto a fazê-las. Nesse quesito, os leitores têm uma enorme vantagem sobre os comilões ou sedentários. O tempo é implacável: a cada ano que passa é mais difícil entrar em forma. Conosco, o efeito é o contrário. Os anos de leitura nos transformam em leitores melhores. Se você não conseguiu vencer aquele clássico da literatura este ano, estará mais preparado no ano que vem. Se não cumpriu suas metas de leitura, pode tentar novamente agora, com mais experiência. Quanto mais listas de resoluções de Ano Novo fazemos, maior é a chance de conseguirmos realizá-las. Jamais conseguiremos ler todos os livros que queremos, mas é um consolo saber que a cada ano estamos um pouco mais perto dessa meta inatingível. Não devemos deixar de acreditar em nossas promessas para 2014. O tempo está a nosso favor.



Desejamos que nesse ano que se inicia aproveitemos as coisas boas que a vida nos apresenta, que façamos novos amigos, que o amor e o respeito prevaleça, que a cada dia seja um recomeço, uma oportunidade de perdoar e ser perdoado... 

Continuem nos acompanhando, 2014 está recheado de novidades. ;)

Bejinhos,

27 de dezembro de 2013

Sexta Envenenada: Só Tenho Olhos para Você

“Faltava abandonar a velha escola
Tomar o mundo feito coca-cola
Fazer da minha vida sempre
O meu passeio público
E ao mesmo tempo fazer dela
O meu caminho só, único
Talvez eu seja o último romântico
Dos litorais desse Oceano Atlântico
Só falta reunir
A zona norte à zona sul
Iluminar a vida
Já que a morte cai do azul
Só falta te querer
Te ganhar e te perder
Falta eu acordar
Ser gente grande
Pra poder chorar
Me dá um beijo, então
Aperta a minha mão
Tolice é viver a vida assim
Sem aventura
Deixa ser
Pelo coração
Se é loucura então
Melhor não ter razão”
Lulu Santos

Olá, Envenenados!

Saudades, saudades, saudades...
Fim de ano de corre-corre, muitas atividades no trabalho e tempo que parece voar.
Precisei ficar um tempo sem ler e escrever para esta coluna, por conta das obrigações profissionais, mas senti tanta falta de poder estar com vocês e trocar figurinhas.
Enfim, férias! Nem acredito que estou em casa curtindo minhas tão necessárias férias.
Estava em ritmo tão acelerado que na segunda-feira, primeiro dia de férias, entrei em uma agência bancária e estranhei o fato de ela estar aberta e cheia de pessoas. Só me dei conta depois, quando o segurança me olhou de maneira inquisidora – “Desculpe, moço, é que estou tão acostumada a entrar na agência nos fins de semana que me esqueci de que hoje é segunda-feira e dia útil.”
Viajar? Acho que não... Dormir? Excessivamente! Ler? Certamente!
Felizmente consegui ler um romance para não fechar 2013 sem publicar nada aqui no blog. E a escolha foi Só Tenho Olhos para Você da Bella Andre, publicado pela Novo Conceito.
Sophie é uma das irmãs caçulas dos Sullivan. Gêmea de Lori, Sophie é conhecida entre os irmãos como Boazinha. Sempre gentil e mais silenciosa que os irmãos, ela também optou por uma ocupação profissional mais tranquila e longe dos holofotes que cercam a maioria deles.
Como bibliotecária ela está num lugar em que todos os amantes dos livros adorariam estar. Como nós, ela é amante dos livros e de tudo o que eles podem proporcionar. Mas sua vida não está completa.
Durante anos ela nutre uma paixão por Jake McCann, amigo de infância de seus irmãos, bad boy afamado e solteiro convicto.
Sei que há paixões de datam desde tenra idade, mas aos 5 anos de idade? Pois é, desde os 5 anos Sophie ama Jake. É óbvio de nesta idade não existe contexto sexual, mas sim uma aura de fantasia, de magia e pureza. Ainda que possa parecer improvável, a ideia de amar alguém desde tão cedo parece forte e sublime.
Lembro que, ainda muito novinha, eu adorava um rapazinho, que deveria ter uns 6 anos a mais que eu. Acho que eu tinha uns 7 anos e tinha certeza de que ele era perfeito em tudo, que podia tudo. Claro que ele nem notava a minha existência, pois só aparecia para brincar com meus tios, que tinham a mesma idade que ele. Como nos mudamos algum tempo depois, nunca mais vi o guri que, naturalmente, foi substituído por outros na minha fase escolar. Sequer lembro o nome dele.
No caso de Sophie, talvez esquecer Jake fosse mais complicado, haja vista que ele passou a fazer parte de sua família, praticamente.
Quando uma onda de romantismo e paixões avassaladoras começa dar caixotes em seus irmãos e ela os vê, um a um, sendo tragados por essa onda, Sophie decide que já é hora de mergulhar de uma vez e ver para onde a correnteza a levará. Ela não quer mais ser a Boazinha, quer mostrar que é capaz de se virar sozinha e de buscar o que acredita ser seu por direito.
Mas... não. Desta vez não será um Sullivan o absinto da vez, pois apesar de gostar de Sophie, foi Jake MacCann quem conquistou meu coração.
Em Só Tenho Olhos para Você, como os demais livros da série, os protagonistas são lindos, viris, e blá blá blá... e transborda de clichês. Mas Jake emociona e tocou-me onde é mais sensível. Só não direi onde, pois assim estarei revelando seu maior e vergonhoso segredo.
Durante o casamento de Chase e Chloe, Sophie resolve seduzir Jake.
− Difícil acreditar que o dia finalmente chegou. – Ele fez uma pausa, e, quando continuou, ela notou o humor um tanto desdenhoso na voz dele: - Um Sullivan vai mesmo se enforcar.
Sophie era conhecida na família como a pessoa sensata e de fala mansa, aquela que sempre refletia sobre as coisas antes de agir. Nunca fora afeita a surtos violentos... ou a dar espaço às suas vontades mais íntimas. Isso era território de sua irmã gêmea, e era por isso que o apelido de Lori era Mazinha e o de Sophie, Boazinha. Entretanto, toda a sua tranquilidade sumia e ela raramente sentia-se com os pés no chão quando Jake estava por perto. Como podia, quando seu coração disparava ao pensar como seria estar nos braços dele... ou quando ele a deixava furiosa fazendo um comentário machista? Geralmente as duas coisas aconteciam ao mesmo tempo, exatamente como estava fazendo agora.
Perdendo a batalha com o autocontrole, ela fechou os punhos e virou-se para encará-lo. Para azar dos seus hormônios traidores, Jake estava mais lindo do que nunca naquele smoking. A camisa branca impecável abria-se o suficiente no colarinho para mostrar os pelos escuros encaracolados no V do peito dele. As tatuagens estavam escondidas atrás da fina camada de tecido, Sophie já sentia uma onda de desejo proibido percorrê-la.
− O Chase e a Chloe estão apaixonados – ela disse com uma voz ainda mais incisiva, decepcionada consigo mesma por não conseguir ser indiferente à bela aparência de Jake. – O casamento deles vai ser maravilhoso, perfeito e incrivelmente romântico.
...
− Pelo menos vai ser uma festa de arromba!
O que havia de errado com ele?, Sophie se perguntou pela milésima vez em 20 anos. Como podia olhar para uma vida inteira de amor e só enxergar uma festa?”
Jake MacCann é um cara que realmente chama a atenção, sobretudo fisicamente. Descendente de irlandeses, ele é dono de uma cadeia de pubs, bonito e durão. Mas não foi por isso que fui cativada por esse personagem.
Quando estava num determinado ponto do livro em que achava que já sabia tudo que estava por vir, pensando “É só mais do mesmo”, eis que Jake começa a se abrir e vamos conhecendo sua história.
De todos os Sullivan, apenas Zack conhece seu maior e mais doloroso segredo. Este segredo, na verdade, foi que o levou a conhecer toda a família daquele menino, que acabou se tornando o melhor amigo de Jake. Aos dez anos de idade, com uma história de vida muito forte, ele entra no universo dos Sullivan e conhece o amor de toda sua vida.
Mais uma vez, Jake mal conseguia acreditar que esse dia havia chegado. Havia algumas coisas na vida com as quais ele sempre contara: a cerveja era sempre melhor quando tirada diretamente do barril; o pai dele nunca passara de um bêbado deplorável; os garotos Sullivan não subiriam ao altar num futuro próximo.
Ellen localizou-o e fez sinal para que tomasse seu lugar ao lado da madrinha a quem estava acompanhando. Ele ainda não fora apresen­tado a ela, mas esperava que Chloe tivesse bom gosto para amigas. A essa altura, a única maneira de tirar Sophie de seu pensamento, depois de um longo dia juntos no casamento, era ter certeza de que terminaria a noite na cama com uma mulher maravilhosa que fosse o oposto dela. Estava quase chegando perto da madrinha quando seu coração e seus pés congelaram. Que diabo aconteceu com a Sophie?
Jake piscou, tentando fixar o olhar, enquanto Sophie e Smith davam a volta em uma fileira de vinhas e continuaram andando pelo corredor. Quando continuou a ver coisas minutos depois — coisas loucas, insanas — passou a mão sobre os olhos. Mas nada mudou o fato de Sophie estar parecendo sexo sobre pernas, naquele vestido rosa escorregadio e saltos altos. Ela com certeza não estava mais usando o suéter e a saia sobre os quais ele fizera um comentário tão grosseiro. No entanto, o vestido não era a única coisa diferente. O que tinha feito com o cabelo? E por que os olhos pareciam tão grandes, seus lábios tão vermelhos? O corpo de Jake reagiu àquela figura abso­lutamente sensual antes que pudesse impedir...”
Jake e eu temos algumas coisas em comum, entre elas o fato de não ligarmos muito para casamentos. Ele acredita que a maioria deles acaba em divórcio, são sempre a mesma coisa, apenas com pessoas diferentes, tomam tempo e tudo mais. Mas ver um de seus melhores amigos se casando, e sentir o amor pairar sobre todos os que presenciam a união de Chase e Chloe tem um quê diferente.
Jake nunca havia ligado para casamentos. Até onde ele sabia, casamentos tomavam tempo demais de um final de semana perfeitamente bom e eram um desperdício do dinheiro ganho a duras penas. Principalmente porque pelo menos metade das uniões terminava em divórcio.
Porém, por alguma razão, esse casamento era diferente. Tinha passado tempo suficiente com Chase e Chloe para achar que realmente tinham uma chance de fazer aquilo funcionar. Com um bebê a bordo, Jake certamente torcia para que o casamento desse certo.
Na verdade, não que ele estivesse prestando muita atenção ao casamento que estava acontecendo... pois não conseguia tirar os olhos da irmã do noivo. Quando Sophie caminhara pelo corredor, Jake ficara estupidamente abalado ao vê-la tão sexy naquele vestido. Quase não a reconhecera como a garotinha meiga grudada em seus calcanhares quando eram crianças. Mas, então, enquanto a observava durante a cerimônia, ela se transformara novamente.
Ainda ridiculamente sexy, mas novamente meiga, ela abriu bem os olhos enquanto ouvia os votos matrimoniais, inclinada em direção aos noivos, como se quisesse fazer parte da felicidade deles. E, naquele momento, quando ela agarrou a mão de Lori, ele desejou, por um milésimo de segundo, que Sophie tivesse procurado pela dele. E que fosse ele que tivesse segurado a mão dela. Jake sentiu como se alguém tivesse lhe enfiado a mão no peito e lhe apertado o coração, espremendo-o até que não houvesse nada além de um emaranhado de sangue e veias. [...]”
Existe uma diferença gritante entre Sophie e Jake, em tudo. Ela fora criada em um lar repleto de cuidados, de amor e de união. Ele fora abandonado ainda bebê pela mãe com um pai  bêbado e agressivo.
Ambos se desejam, mas ela resolve correr atrás do seu final feliz e enfrentar seus irmãos, que certamente farão fila para quebrar todos os ossinhos de Jake por se meter com a Boazinha. Mas ele sabe que não a merece, tampouco com um final feliz, por não se julgar digno dela.
Jake tentará resistir aos encantos de Sophie... e quando não consegue, toda a história se desenrola e muitas, muitas coisas estão para acontecer em um tempo relâmpago.
Esta é uma história romântica, um pouco previsível sim, mas muito bonita e Jake definitivamente tornou-se um dos meus favoritos, não por ser possessivo, extremamente quente e habilidoso sexualmente, mas por sua história de vida e crescimento, de hombridade e perseverança.
Quero agradecer a todos vocês por estarem sempre presentes, por prestigiarem este blog e esta coluna e me desculpar pelas falhas e ausências.
Vou ficando por aqui, desejando a todos uma linda e última sexta-feira do ano e que 2014 seja um ano de maravilhas na vida de todos.
Fiquem bem e Carpe Diem!




25 de dezembro de 2013

Feliz Natal!!



Queridos envenenados,

Hoje é Natal!!

Dia de agradecer imensamente a Deus pelo presente que ele nos deu neste dia tão especial... Jesus!!

E com Jesus a gente aprende a conhecer a Deus Pai... A gente aprende a reconhecer sobre seu amor e seu cuidado... só um Deus amoroso seria capaz de abrir mão do seu próprio filho para nos Salvar!!

"Conheçamos o Senhor; esforcemo-nos por conhecê-lo..." (Oséias 6: 3a)

Deus é um pai amoroso, tudo o que Ele quer é que você o ame. É simples, basta amá-lo de todo o coração e agradecê-lo diariamente pelos seus cuidados, pela sua fidelidade e amor por nós!!

Jesus é a maior prova disso... 

Esperamos que seu Natal tenha sido maravilhoso e cheio de amor!!


E cheio de Livros também!!!!

Beijocas,


21 de dezembro de 2013

Resenha: 'Os Garotos Corvos' da @Verus_Editora



Os Garotos Corvos

Autora: Maggie Stiefvater
Editora: Verus Editora
Volume: 01
Páginas: 376




Sinopse

 Todo ano, na véspera do Dia de São Marcos, Blue Sargent vai com sua mãe clarividente até uma igreja abandonada para ver os espíritos daqueles que vão morrer em breve. 

Blue nunca consegue vê-los — até este ano, quando um garoto emerge da escuridão e fala diretamente com ela.  

Seu nome é Gansey, e ela logo descobre que ele é um estudante rico da Academia Aglionby, a escola particular da cidade.

 Mas Blue se impôs uma regra: ficar longe dos garotos da Aglionby. Conhecidos como garotos corvos, eles só podem significar encrenca. 

Desde que se entende por gente, as médiuns da família dizem a Blue que, se ela beijar seu verdadeiro amor, ele morrerá.

 Mas ela não acredita no amor, por isso nunca pensou que isso seria um problema.

 Agora, conforme sua vida se torna cada vez mais ligada ao estranho mundo dos garotos corvos, ela não tem mais tanta certeza.





Pegar um livro da queridíssima Maggie para ler é um prazer...

Desde que li uma outra série da autora, que envolvia lobos e muita poesia, fiquei encantada por sua escrita e sensibilidade.

Mesmo sabendo que Os Garotos Corvos não era um romance, mas sim um suspense sobrenatural, me interessei rapidamente esperando que sua escrita me levasse ao misterioso mundo de uma aventura paranormal.

Não me arrependi...

Maggie nos brinda com uma narrativa rica, tensa e misteriosa! E ela faz isso misturando uma intrigante história (que muitos dizem ser real), lenda e mitologia.

Ao nos apresentar Blue, uma garota forte e corajosa, que faz parte de uma família estranha e cheia de segredos... percebemos logo que o livro tem tudo para dar certo. É com a apresentação dela que somos amarrados pelo pé e ficamos impossibilitados de largar o livro!

Blue Sargent é filha de uma psíquica e mora num antigo casarão com sua mãe e duas amigas dela que são tão ou mais estranhas que a sua progenitora.

No fundo, mesmo querendo acreditar, Blue não sabe ao certo se elas são verdadeiramente psíquicas ou se enganam os moradores da cidade fazendo revelações abrangentes que podem ser feitas a qualquer pessoa.

O que Blue sabe com certeza é que quando está perto de sua mãe e de suas 'tias' seus poderes se amplificam e por isso ela é usada como uma bateria ambulante sem nunca ter feito magia nenhuma.

Mas sua vida muda drasticamente quando na véspera do Dia de São Marcus ela tem sua primeira experiência sobrenatural e vê um garoto corvo que estará morto no ano seguinte. 


 Por implicações misteriosas, poucos dias depois ela acaba conhecendo o garoto e suas vidas nunca mais serão as mesmas.

Gansey, é estudante de uma escola particular chamada Academia Aglionby que tem como símbolo um corvo. Por isso, todos os garotos que lá estudam são denominados pela cidade como Garotos Corvos. Blue sempre se manteve longe deles, pois sabe que estes garotos são ricos, bonitos e cheios de problemas...

Mas eles acabam entrando em sua vida sem pedir licença e particularmente Gansey, Noah, Adan e Ronan ficam caidinhos pela linda e corajosa Blue. 

Gansey, como líder da trupe, se encarrega de nos contar sobre a lenda que envolve a procura de uma rei desaparecido que pode conceder um desejo a aquele que o encontrar. E no decorrer da história ficamos sabendo que não é só a amizade que une os garotos... cada um tem um desejo secreto e uma intensão para estar seguindo Gansey e suas ideias sem pestanejar.



E assim, a trama fica ágil a cada página e você se vê envolvido pelo livro... pelos mistérios... pelo romance que vai surgindo de mansinho... e pelas surpresas envolventes de tirar o fôlego!

Os Garotos Corvos foi uma surpresa maravilhosa neste final de ano e uma ótima pedida de leitura para as férias!!

Quer ter um gostinho?? Clique aqui e leia o primeiro capítulo do livro... por sua conta e risco... 

Com certeza você vai comprar depois de ler!! rs

Tô avisando!!

Beijocas,

19 de dezembro de 2013

Resenha: 'Tempestade de Fogo' da @Intrinseca



Título: Tempestade de Fogo
Coleção: O Jovem Sherlock Holmes
Volume: 4
Páginas: 320
Ano da Edição: 2013
Editora: Intrínseca
Autor: Andrew Lane



SINOPSE:

“Sherlock está confuso. 
Amyus Crowe e Virginia sumiram e a casa deles está vazia, como se ninguém jamais tivesse morado lá. 
Para tentar resolver o mistério do desaparecimento dos dois, o garoto segue as pistas deixadas por seu mentor e acaba na Escócia, envolvido em um esquema muito perigoso. 
Em meio a sequestros e roubos de cadáveres, Sherlock precisa enfrentar um adversário com poderes muito além de sua habilidade dedutiva: um homem que se diz capaz de controlar os mortos. 
O jovem Sherlock Holmes já escapou da morte mais de uma vez, mas nessa missão os riscos são maiores do que nunca. 
Agora, ele terá que enfrentar as forças do inferno.”



                "Os pequenos detalhes são sempre os mais importantes."
 Sherlock Holmes

                Caros leitores, estamos aqui novamente, ávidos por escrever sobre esse novo livro de Andrew Lane nesta coleção que tem se tornado muito querida para mim.

                Como sabem, sou leitor antigo (!) das histórias originais de Sherlock Holmes, personagem criado pelo inglês Arthur Conan Doyle.

                Quando comecei a leitura desse volume, foi impossível não realizar um retrospecto mental dos três primeiros livros e perceber que o autor tem sido extremamente cuidadoso com o personagem, ainda que em sua versão adolescente; e ainda sobre esse retrospecto, o próprio autor nos auxilia nesse processo com seu texto narrativo relembrando os acontecimentos mais importantes nos últimos dois livros.

                Neste quarto volume, encontramos o jovem Holmes ainda mais solto e tendo que resolver problemas, sozinho ou com a ajuda do seu inseparável amigo, Matty Arnatt. 

Tudo começa quando ele descobre o motivo que levou a Sra. Eglantine até a mansão Holmes e segredos familiares vêm à tona. Vemos ali também uma referência muito sutil sobre os mórmons e a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e, tal qual na literatura clássica de Sherlock Holmes, no final da história, as peças se encaixam. Para quem se lembra (ou ainda não leu), os mórmons estão dentro da trama de “Um Estudo em Vermelho”, primeiro romance escrito por Doyle e onde Holmes é apresentado pela primeira vez.

                Logo depois, Sherlock descobre que seus amigos Amyus Crowe e Virginia desapareceram, e que provavelmente correm perigo. Caberá ao jovem Sherlock, seu amigo Matt e seu professor de violino Rufus Stone seguirem pistas deixadas por Amyus para desvendarem uma nova trama e encontrarem os dois amigos desaparecidos.

                Holmes amadurece a cada capítulo onde são apresentados novos traços de sua personalidade e psicologia. Percebemos também, em vários momentos do livro, seus questionamentos em relação à vida, amizades, posturas e escolhas que as pessoas fazem. Essas reflexões permearão toda a vida do nosso herói e formarão o caráter dele.

                “_ As pessoas acham que existe uma linha clara entre ações legais e ilegais – disse ele, baixinho. _ Acho que, se aprendi algo desde que vim para Farnham, foi que essa linha não existe. Há um monte de cinza entre o branco de uma ponta e o preto da outra. Só precisamos tomar cuidado com o lugar onde pisamos.”

                A história possui vários momentos de clímax o que prende ainda mais o leitor.

           Encontramos aspectos interessantes no amadurecimento do personagem, bem contextualizados dentro do enredo, como: o aprendizado e interesse sobre a maquiagem de teatro (caso deseje, veja as histórias originais: “O cão dos Baskerville” e “O caso do detetive agonizante”), o contínuo aprendizado e prática do violino, o hábito de ‘colecionar’ artigos de jornais e pesquisa de notícias em várias fontes, sua impaciência em relação ao tempo gasto em viagens longas devido aos meios de transportes limitados, seu fascínio por abelhas (lembram-se de Nuvem da Morte?) e o desejo em fazer do mundo em que se vive um lugar melhor.

                “_ Não gosto de mudanças – murmurou ele depois de um tempo. _ Gosto que tudo na minha vida permaneça do mesmo jeito, e preciso saber o lugar de cada coisa. Isso vale tanto para objetos quanto para pessoas.”

                De fato, Holmes se tornará não só o maior detetive de sua época, como também criará uma nova profissão, chamada de consultoria investigativa.

                Excelente também a parte de “Notas históricas” no fim do livro onde o autor relata algumas fontes de pesquisa e curiosidades sobre a trama e as escolhas que fez para a história.

                Excelente também a capa da edição.

               A edição pecou apenas na orelha da capa traseira do livro, onde aparece o endereço de uma página na internet que não está nada atualizada. Isso pode desmotivar o leitor que busca mais informações sobre a coleção ou o personagem.

                Espero que a editora Intrínseca publique logo o volume 05 que já foi lançado lá fora.

                Caso deseje conhecer mais sobre o personagem e as historias originais, sugiro o site www.sherlockbrasil.com

Abraços, Victor Assis

        Victor Assis é irmão da Math, colaborador do blog e quando pré-adolescente já lia as histórias de Sherlock Holmes e queria ser detetive particular quando crescesse.


17 de dezembro de 2013

Resenha: "Teardrop" da @GaleraRecord



Título: Lágrima
Série: Teardrop
Volume: 1
Autora: Lauren Kate
ISBN: 9788501403971
Páginas: 336
Editora: Galera Record
Ano: 2013
Sinopse

Depois de perder a mãe em um acidente mar, Eureka acha que nunca mais voltará a sorrir. 

E a promessa que fez à mãe – a de nunca mais chorar – se torna quase impossível… até conhecer Ander. 

Louro, alto e de pele muito branca, o rapaz parece estar em todos os lugares e saber coisas que não deveria sobre Eureka. 

Inclusive um estranho segredo relacionado às suas lágrimas e aos três artefatos que herdou da mãe: uma carta, uma pedra e um misterioso livro que conta a história de uma menina com o coração partido. Ela chorou tanto que deixou debaixo d´água um continente inteiro. 

Logo Eureka vai descobrir que a antiga lenda é mais que uma história, que Ander pode estar dizendo a verdade e que sua vida pode ter um curso mais sombrio do que ela imaginou.




Eu estava ansiosa pelo lançamento de Teardrop. Para os fãs de Lauren Kate, a autora mais fofa que existe, este livro era a promessa de um novo romance onde pudessem mergulhar de cabeça e matar as saudades das palavras, dos pontos e vírgulas, dos travessões e dos lindos personagens inventados pela mente criativa da nossa diva carismática!

Me encantei pela Lauren quando ela vaio ao Brasil e me apaixonei pela série Fallen... mas eu não podia imaginar que a danada enriqueceria e aprimoraria sua escrita nesta série!!

O livro é primoroso e prende você do início ao fim...

Eureka é uma personagem tão sofrida e cheia de mágoa que é difícil não querer entrar no livro e ter a vontade de colocá-la no colo... Chorei com ela e sofri lendo sobre a sua dor.

"Antes de Diana morrer, Eureka achava que o mundo era um lugar empolgante. A mãe era uma aventura. Notava coisas em uma caminhada simples que a maioria das pessoas deixaria passar uma mil vezes. Ela ria alto e com mais frequência que qualquer um que Eureka conhecesse - em certas ocasiões isso constrangeu Eureka, mas hoje ela descobria sentir mais falta do riso da mãe que de qualquer outra coisa." (P. 24) 

Perder alguém que se ama é horrível, ainda mais se for a sua mãe... 
O relacionamento que elas tinham era maravilhoso e juntas desbravaram cidades, países e culturas. O trabalho como arqueóloga fez com que mãe e filha estreitassem laços e se conhecessem muito bem...

Assim, quando Eureka perde a mãe numa tragédia bizarra e inacreditável... seu mundo acaba! Ela perde a vontade de viver e não se importa com nada...

"Suicídio. A palavra tinha um ar mais violento do que a tentativa havia sido.... Tentou pensar em algo animador sobre o futuro, mas sua mente só rolava para trás, aos momentos de alegria perdidos que nunca mais poderia ter. Ela não podia viver no passado, então concluiu que não podia viver". (p. 18)

E mesmo com todo este sofrimento, ela não chora... não derrama nenhuma lágrima... ela não pode quebrar a promessa que fez para a mãe de NUNCA chorar.

Ela não sabe o por que de sua mãe ter lhe obrigado a fazer essa promessa, mas ela cumpre até no dia mais infeliz de sua vida. E é aí que conhecemos a força e a lealdade desta personagem.

Sem a mãe... ela se vê perdida no meio da nova família do seu pai. Sua madrasta não a compreende, seu relacionamento com seu pai é superficial, mas com seus pequenos irmãos gêmeos ela até consegue ser ela mesma.

Seus dois amigos mais próximos ainda a fazem interagir com o mundo lá fora... mas ela não consegue 'sentir' mais nada... até o dia em que encontra um rapaz desconhecido e sua vida começa a mudar...

Ander surge de repente e muda a vida de Eureka!

Ele é misterioso e nós leitores sabemos muito mais sobre ele do que Eureka...

"Ele sabia tudo sobre ela. Iria gabaritar todas as questões em uma prova sobre suas complexidades. Ele a observava desde o 29 de fevereiro em que ela nasceu. Todos os Semeadores a vigiavam. Ele a observava desde antes de ele ou ela saberem falar. Eles nunca se falaram. Ela era a vida dele. Ele tinha de matá-la." - (P. 11)

Depois que ele aparece em sua vida, as coisas começam a se encaixar... os artefatos que recebe da mãe na leitura do seu testamento são a chave de todo o mistério que começa a ser revelado depois da metade do livro... e Eureka percebe que seu coração antes anestesiado... ainda bate... percebe que ela ainda é capaz de sentir... que pode voltar a amar e talvez ser feliz!!

Nada é o que imaginamos e os acontecimentos que fazem você prender a respiração são fantásticos. Será que o choro de alguém pode devastar tanto?

O livro termina com aquele gostinho de quero mais e ficamos com o coração apertado... mas temos a nítida sensação de que este é só o começo da história que promete ficar mais envolvente a cada livro!

Amei a mitologia criada, a história de Atlântida resgatada e que deixa a curiosidade do leitor a mil por hora...

Lauren está melhor do que nunca e sua sensibilidade no escrever nos comove e enche nosso coração de ternura e amor! Impossível não mergulhar neste livro e impossível não derramar várias lágrimas! Lindo!

Estou torcendo por Eureka acima de tudo...


Tenho um pressentimento de que vou gostar muito mais desta série do que da série Fallen... Será isso possível?? rs

Obrigada Lauren... <3

Outro <3 para a Galera Record que está me alegrando demais com estes últimos lançamentos... O ano de 2013 foi fantástico!!
Obrigada!! ;-)

Beijocas,

16 de dezembro de 2013

Promoção: Natal Recheado.

Bom dia Envenenados!

Tudo bem com vocês!? Já compraram os presentes de natal!?
Nós gostariamos de presentear todos vocês, que ao longo do ano comentam, participam e compartilham o amor pelo melhor em livros, séries, filmes ... Infelizmente ainda não podemos realizar esse sonho, mas conseguimos fazer isso para um(a) sortudo(a).




Reunimos dois blogs super parceiros; O PseudoEstante e o Livros minha terapia e juntos vamos sortear um leitor para receber em casa 6 sucessos literários. São eles:



  • Puros;
  • Um toque de vermelho;
  • Beije-me antes de morrer;
  • Se eu morrer antes de você;
  • O Espião e
  • Bem mais perto.
Gostaram?! Para participar é fácil, basta serguir TODAS as regras que estão no rafflecopter

A promoção começa hoje, 16 de dezembro de 2013, e termina no dia 03 de janeiro de 2014.
Resultado será divulgado no final de semana, 04 ou 05 de janeiro.


ATENÇÃO:  
· Perfis no Facebook e/ou Twitter usados exclusivamente para participar em promoções serão desclassificados;  
· Antes do vencedor ser anunciado TODAS as regras serão conferidas, e caso seja constatado irregularidades, o mesmo será desclassificado sem aviso prévio;  
· LEMBRANDO que Todos os prêmios possuem prazo de postagem de 45 dias, contando a partir da data que o vencedor entrar em contato, e como cada blog é responsável pelo envio dos prêmios disponibilizados, os mesmos poderão chegar separadamente ao vencedor.  

Boa sorte à todos,

Equipe



12 de dezembro de 2013

Resenha: 'Os adoravéis' pela @Novo_conceito


Os adoráveis
Autor
: Sarra Manning 

Editora: Novo Conceito
Série: -
Categoria: Literatura estrangeira
Páginas: 384
Lançamento: 2013

saraivasubmarinotravessa







Sinopse:

Jeane é blogueira. Seu blog, o Adorkable, é um blog de estilo de vida — na verdade, o estilo de vida dela — e já ganhou até prêmios na categoria “;Melhor Blog sobre Estilo de Vida”; pelo The Guardian e um Bloggie Award. Adora balas Haribo, moda (a que ela cria, comprando em brechós) e colorir (ou descolorir totalmente) os cabelos...

Cheia de personalidade e meio volúvel, ainda assim Jeane é bacana — mesmo nos momentos em que se transforma numa insuportável...

Mas, certamente, ela não olharia duas vezes para Michael. Porque Michael é o oposto de Jeane.

Ele é o tipo de cara que namoraria a garota mais bonita da escola. E compra suas roupas na Hollister, na Jack Wills e na Abercrombie. Além disso, diferente de Jeane, que é autossuficiente, Michael é completamente dependente do pai, o Clínico Geral que condena açúcar, e ainda permite que sua mãe compre suas roupas! (Embora, para Jeane, o pior mesmo sobre Michael é que ele baixa música da internet e nunca paga por isso.) 

Jeane e Michael têm pouco em comum, além de algumas aulas e uma maçante dupla de “ex” — Scarlett e Barney. Mas, apesar disso, eles não conseguem se desgrudar desde que ficaram pela primeira vez.



Os opostos se atraem! 

Não dá para negar que o dito popular é verdade e, nesse livro isso fica muito evidente.

Jeane faz questão de ser do contra. Suas roupas, cabelo e, principalmente, atitude só existem para criar oposição ao normal.

Michael, por sua vez, é tão normal que ganha nota 10 em todas as categorias. O objetivo dele é se encaixar perfeitamente seja onde for. Quanto menos polêmica melhor.

Para completar, a convivência deles só começa porque seus pares resolvem namorar! Ou seja, a namorada gata do cara perfeito se apaixona pelo namorado dork da garota mais dork do planeta! 

Somado a isso, a gente ainda precisa lembrar de que são adolescentes! Helloooo, tudo tem dimensões gigantescas nessa fase.

É com essa fórmula que Sarra Manning consegue nos presentear com um livro super divertido e atual (até demais para alguém como eu que não sabe nada sobre o Twitter e outras tecnologias...rs), mas o melhor do livro não se refere a parte cômica, mas sim como os relacionamentos bem desenvolvidos podem mudar a sua vida sem mudar quem você é.

Tudo gira em torno da capacidade de autoaceitação e da compreensão do outro. Não é porque é diferente que é ruim. Não é bom só porque é igual ou comum. Questionamentos são válidos, mas nem tudo precisa ser questionado ou mudado.

O incrível é que a tão diferente Jeane tem tantos preconceitos quanto os “normais”, algumas vezes até mais.

No decorrer da história Jeane aprende que pode ser aceita sem perder sua identidade e Micheal descobre que o perfeito para alguém nem sempre serve para si mesmo.

Os diálogos são superinteligentes e Jeane tem ótimas sacadas.

Vale a pena!


Beijinhos,

Ou receba as atualizações no seu email:

Delivered by FeedBurner

Posts Recentes

Últimos Comentários

As envenenadas pela maçã Ѽ by TwilightGirls RJ Ѽ - Copyright © 2012 - Todos os Direitos Reservados