7 de setembro de 2012

Sexta Envenenada: Fallen Angels- Cobiça

Sexta5 copy
Olá, pessoas!
Estamos de volta com mais uma Sexta Envenenada. E hoje temos mais dois personagens incríveis para o deleite dessa coluna.

Absintos da vez:
Jim Heron e Vin di Pietro
Quem acredita em anjos? Eu tenho fases: às vezes acredito, às vezes não, às vezes sequer penso nisso.
Acredito mesmo é que não temos como descrever exatamente esses seres, assim nos resta observar a descrição que outros fazem.
Este é o tema do livro que escolhi para hoje, onde conhecemos Jim Heron e Vin di Pietro. Ambos têm suas vidas alteradas de uma maneira que poucos poderiam acreditar ser possível. E seus destinos se cruzam de maneira fatal.
Estou falando de Cobiça da série Fallen Angels, (Covet) da J.R. Ward. Neste livro, Ward aborda um assunto, em nada inédito, porém com sua peculiar destreza em criar personagens intensos, cenários riquíssimos e um enredo hipnotizante.
Para começar, o que vemos é um acordo sobre uma disputa entre o bem e o mal. E a autora faz uma analogia com os esportes.

“[...] A Terra era o campo e o jogo começou assim que o estádio terminou de ser construído. Os Demônios eram o Time da Casa. O Visitante era composto por Anjos que representavam a felicidade e o Paraíso. Cada alma era um zagueiro no campo, um participante na luta universal do bem contra mal, e placar refletia o valor moral relativo das ações de uma pessoa na Terra. O nascimento era o chute inicial e a morte o final da partida – ao passo que a pontuação seria acrescentada conforme o maior registro dessas ocorrências. Os treinadores ficavam na beirada do campo, mas eles poderiam colocar diferentes jogadores para completar o time junto com os humanos, para influenciar as coisas – e também era permitido qye pedissem um tempo para conversar com o jogador. Algo muito conhecido como ‘experiência de quase morte’. O problema era o seguinte: o Criador estava ficando entediado, como se fosse um espectador que assistisse a um jogo fora de temporada em um lugar duro e frio, cheio de cachorros-quentes no estômago e com alguém gritando o tempo todo em seu ouvido. Erros de passe demais. Intervalos demais. Prorrogações demais. Era evidente, aquilo que começou como uma competição emocionante tinha perdido seu apelo, e os times receberam o aviso: terminem com esse jogo, rapazes.Então, os dois lados tiveram que concordar em ter um zagueiro específico. Um zagueiro e sete jogadores. [...]”
Jim Heron foi o zagueiro escolhido para este jogo em que a contagem de pontos será realizada pela quantidade de almas que ele conseguir resgatar.
Jim Heron (Raoul Bova)
Jim

Jim Heron, um cara que “viveu sua vida seguindo o código de permanecer afastado das pessoas e esperava que elas o deixassem seguir sua rotina de ‘sou uma ilha’. Desde que saiu do exército, ficou vagabundeando por aí, até que parou em (adivinhem) Caldwell, mas só porque foi ali que o carro parou – e planejava pegar a estrada de novo depois de terminar o projeto pelo qual estavam trabalhando”.
Na noite em que completa 40 anos de idade ele tem sua vida totalmente transformada, ainda que ele não faça a menor ideia disso.
Nesta história conhecemos personagens novos e enigmáticos, mas também podemos ver locais e personagens de uma outra série de livros da Ward. Quem já leu, sabe do que estou falando. Não por acaso, a história se passa em Caldwell (NY). Mas não pensem que trata-se de uma extensão da outra série, não mesmo!
A primeira missão de Jim será salvar o milionário Vin di Pietro, homem que conquistou toda sua fortuna com trabalho, árduo, mas que teve uma ajuda especial da qual ele pouco se lembra e não tem noção de quão perigosa é.
Vin, claro, tem tudo o que o dinheiro pode adquirir, incluindo um puta apartamento duplex em um condomínio valorizadíssimo (uma maçã envenenada para quem descobrir qual é) e está decidido a pedir a mão de sua namorada atual em casamento, mas uma percepção, que o leva de volta a seu passado, freia seu impulso para realizar o pedido.
Esses dois homens são o foco do texto de Cobiça, mas outros personagens têm grande importância na trama toda. Mais uma marca do estilo de Ward, não se deter em uma história apenas, mas criar outras que, ainda que paralelas, dão um tempero a mais em suas histórias. E ela consegue fazer vários links entre as histórias e as personagens, mesmo aquelas que são da outra série.
Mais uma vez ela é generosa nas descrições sensuais e ambientais, fertilizando demais nossa imaginação. Uma dessas descrições muito interessantes, por sinal, é sobre os Anjos que escalam Jim, num momento em que ele está inconsciente, e fazem o comunicado a ele.

— Nigel, você é um exibicionista. Jim franziu a testa na escuridão que o rodeava. A voz com sotaque britânico veio de cima, à direita, e a tentação imediata era abrir os olhos, levantar a cabeça, e ver o que estava acontecendo. Seu treinamento deteve o impulso. Graças a sua passagem pelo exército, tinha aprendido que quando voltava a si e não sabia onde estava, era melhor fingir inconsciência até ter alguma ideia do que estava acontecendo. Movendo-se de maneira imperceptível, ele abriu as mãos e apalpou o que estava à sua volta. Ele estava sobre algo macio, mas era flexível, como se fosse um tapete felpudo muito bem cuidado ou... grama? [...] Jim abriu os olhos. O céu sobre sua cabeça estava salpicado de nuvens de algodão fofo e, embora não visse o sol, o resplendor que via era o de um domingo de verão – não só brilhante se sem qualquer sinal de chuva, como se não houvesse nada urgente para fazer, nada com que se preocupar. Ele olhou em direção às vozes... e concluiu que estava morto. À sombra das muralhas de pedra de um castelo, quatro sujeitos com bastões de críquete estavam parados próximos a muitos wickets e borás coloridas. O quarteto estava vestido de branco, um deles tinha um cachimbo, outro usava óculos redondos rosados. O terceiro passava a mão na cabeça de um cão de raça irlandês. E o quarto tinha os braços cruzados sobre o peito e uma expressão entediada. [...]”
Assim, depois de ficar sabendo onde está e quem são os quatro rapazes, Jim fica sabendo sobre sua missão.
Numa mistura de aventura, romance, suspense e uma pitada de terror, acompanhamos nosso herói nessa missão, que não será nada simples, pois tem pouquíssimo tempo para convencer Vin a mudar o rumo de sua vida definitivamente. É uma corrida contra o relógio.
E ele não estará sozinho. Em sua missão contará com o apoio de outros dois anjos.
Uma complicação na operação de resgate de Vin, será adquirir e manter sua confiança, uma vez que Jim havia passado uma noite muito agitada com a pretensa noiva de Vin. Claro que ambos não tinham consciência disso.
Mas vale dizer que Cobiça é o primeiro livro dessa série, que aborda os sete pecados capitais, e que Ward não economiza em surpresas, tensão e incertezas. Não é um livro que tenha um final óbvio. Pelo contrário, nos deixa apreensivos até o final. E, para completar, é uma leitura para homens e mulheres, pois não se trata desses romances água com açúcar, apesar de trazer um herói – Vin di Pietro – que vai precisar da salvação de outro herói – Jim Heron, para salvar sua mocinha.
São dois homens, com problemas como todos nós, que estão muito ligados aos seus passados, mas que têm a chance única de mudar o destino.
Vin está numa verdadeira encruzilhada e precisa tomar algumas decisões que definirão seu futuro. E entre essas decisões está a de se desvincular de seu passado e de conceitos há muito arraigados, mas mostra-se um amante extremante dedicado.

"[...] Antes que ela percebesse, estava de volta em seus braços, de volta a eles e ainda mais próxima. Enquanto eles estavam juntos, alguma coisa ocorreu a ela sobre as escolhas que tinha feito... algo que ela não queria olhar de muito perto, então afastou isso da mente e se prendeu apertado em seu abraço. Erguendo a cabeça para olhá-lo, ela disse: - Fique comigo. Agora. Vin ficou imóvel... e depois com mãos gentis segurou seu rosto. - Você tem certeza? - Sim. Após um longo momento, ele diminuiu a distância entre suas bocas e a beijou doce e lentamente. Ele era tão suave e cuidadoso, acariciando, inclinando sua cabeça para o lado, acariciando um pouco mais. Era melhor do que ela lembrava, porque era melhor do que aquilo que jamais teve. Correndo as palmas das mãos pelos seus braços, ela sentiu como se os dois estivessem suspensos no ar, presos por opção, não capturados pelas circunstâncias. Leve como o contato entre eles era, suave como os lábios dele eram, cuidadoso como as mãos dela eram, o vigor efervesceu entre eles.
Vin recuou um pouco. Ele estava respirando com dificuldade, os músculos do seu pescoço estavam tensos. E não só o pescoço. Quando ele olhou para ela, seus corpo estava ainda mais pronto para o que ia acontecer em seguida..."
Preparem-se para muitas emoções, surpresas e adrenalina, além de uma visita muito agradável de um dos importantes personagens de outra série de Ward. Este é um texto imperdível.
Fico por aqui, esperando que a próxima sexta não tarde, embora esteja descansando este feriado que, como para muitos, foi um presente para mim.

Fiquem bem e Carpe Diem
Tani@ Lima

8 comentários:

  1. Tania isso foi uma tortura pra mim rsrs.
    Eu sou fã incondicional da série IAN, e morro de vontade de ler essa série da Ward mas por falta de tempo mesmo não comecei ainda.Então ver você aqui falando maravilhas sobre o livro me deixou morta de raiva por não ter começado ainda.
    Ps:*sussurrando* Commodore eu conheço bem e essa maça envenenada é minha kkkk.
    Beijos.
    @Agda01

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agda, você é uma fofa!
      Realmente, esta série é fantástica, pelo menos pra mim que não curto histórias com finais previsíveis. Espero que consiga tempo em breve para poder curtir este texto e vamos trocar mais figurinhas, ok! Depois me diz para onde enviar a maçã, porque é claro que você acertou! kkkkkkk
      Bjs
      Tani@

      Excluir
  2. Uau... como vc me escondeu este cantinho???? amei... e ovulei claro!!!! rsrsrsr ainda mais que posta as fotos do meu querido, amado e idolatrado Bova! Ploft......
    Não tive a oportunidade de ler estas obras primas... mas fiquei entusiasmada rsrsrsrrs
    Como sempre, escreve maravilhosamente bem e transmite a suas impressões de maneira magistral!!! Saudades imensas de vc!!!!
    Beijo grande querida... já estou te seguindo e já faz parte dos meu sites favoritos!!!!
    Te amooooo! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cassinha, amada! Que bom que gostou, e pode ter certeza que o Bova estará por aqui novamente, já que Jim Heron é figurinha certa em Fallen Angels! Delícia de série!
      Valeu amada!

      Excluir
  3. Tania, amada! Mais um post prá lá de envenenado! Jim Heron e o Vin di Pietro são dois tesouros. A Ward é mestre nessa questão de criar personagens masculinos que nos deixam com o coração descompassado e as pernas bambas. Não vejo a hora de ler o segundo livro e seguir o Jim Heron pelos outros seis pecados capitais.
    Adorei os atores que tu imaginaste para serem esses dois envenenados. O Bova está uma delícia como Jim (não é, Cassinha?... bj, querida!)
    Bom final de feriadão, amiga, e um super beijo carinhoso da tua fã incondicional!
    Rosane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Rosane, o livro é maravilhoso! O segundo também dá um show, mas falo dele em outra postagem! Essa série garantirá a estada do lindão do Bova por aqui. O mais gostoso nas histórias da Ward é que, além de machos nota 1000, as mulheres não deixam a desejar, a maioria também é guerreira: adoro!
      Obrigada querida, mais uma vez pela sua presença!
      Bjs
      Tania

      Excluir
  4. Tania, você está arrasando e enlouquecendo a mulherada com estes seus posts aqui no Envenenadas... Estou adorando passar por aqui para conferir a sua coluna, sempre recheada de dicas e claro de guloseimas... kkkk
    Eu ainda não li esta série e não sei porque não sou muito chegada em livros de anjos, mas devido a várias resenhas maravilhosas que tenho lido, inclusive a sua, já entraram pra minha lista... Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Lia, eu também não tenho queda por livros sobre anjos. Na verdade li Covet por curiosidade, para verificar se o tom era o mesmo da IAN e porque li que os personagens transitam de uma série para outra. Para minha grata surpresa a leitura me nocauteou, amo Jim e seus capangas e de quebra os outros machos que aparecem nas histórias. Estou louca para ler o terceiro. Mas hoje recebi três livros para devorar, assim, FA terá que esperar um tantim!
      Obrigada querida, por passar por aqui e se deleitar com essas histórias.
      Até a próxima linda!
      Bjs
      Tania

      Excluir

Destile seu veneno, comente!

Ou receba as atualizações no seu email:

Delivered by FeedBurner

Posts Recentes

Últimos Comentários

As envenenadas pela maçã Ѽ by TwilightGirls RJ Ѽ - Copyright © 2012 - Todos os Direitos Reservados